sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Mais de 95% da floresta do concelho de Pedrógão ardeu

Rafael Marchante

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Antunes, disse este domingo à agência Lusa que 95% da floresta ardeu e que, ao nível de infraestruturas, o concelho está "a zero".

"Não há uma previsão [da área ardida] , mas para mim ardeu tudo. Temos mais de 95% da floresta ardida. O concelho ardeu", afirmou.

O autarca adiantou ainda que o concelho de Pedrógão Grande ficou "a zero" ao nível das infraestruturas na sequência do incêndio que deflagrou sábado e alastrou para os concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, causado pelo menos 61 mortos.

"Com o calor, as máquinas de rasto arrancaram-nos o alcatrão", frisou.

Já em relação à vinda do primeiro-ministro António Costa a Pedrógão Grande, Valdemar Antunes mostrou-se sensibilizado: "O primeiro-ministro veio trazer o apoio do Governo. Não foi só o primeiro-ministro. Foi uma das coisas que me comoveu. O Governo está consciente da gravidade da situação", concluiu.

O fogo, que causou pelo menos 61 mortos e mais de 50 feridos, deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, Pedrógão Grande, e alastrou-se aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações e deixando-as isoladas.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da ANPC, as chamas mobilizavam às 16:45 de hoje 782 operacionais, 242 veículos e seis meios aéreos.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06