sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

O que aconteceu em Pedrógão Grande?

Miguel Vidal

A Polícia Judiciária afastou a possibilidade de mão criminosa no fogo que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria. O incêndio começou alegadamente quando uma árvore foi atingida por um raio, na sequência de trovoada seca que atingiu a região centro do país e provocou 61 mortos e 62 feridos em Pedrógão Grande.

As autoridades afastam a possibilidade de mão criminosa no incêndio que deflagrou ontem em Pedrógão Grande.

Pedro Miranda, especialista em meteorologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, esteve na SIC Notícias a analisar o fogo trágico que provocou a morte de 61 pessoas feriu 62.

O especialista defende que o calor e o vento são os principais fatores que originam um incêndio e que quando estes fatores ocorrem num momento de trovoada seca, a probabilidade de fogo é muito superior.

Pedro Miranda considera que o fenómeno da trovoada seca foi o principal fator que levou à dimensão trágica do fogo de sábado.

O diretor nacional da Polícia Judiciária, Almeida Rodrigues, também avançou que o fogo não terá tido origem criminosa e que tudo aponta para causas naturais, derivadas das condições meteorológicas e da chamada trovoada seca.

Almeida Rodrigues confirmou que a Polícia Judiciária já identificou a árvore atingida por um raio, durante a trovoada sem precipitação que se fez sentir no sábado à tarde.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52