sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Várias equipas da PJ em Pedrógão Grande

Várias equipas da Polícia Judiciária (PJ) estão em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e outras vão a caminho, na sequência do incêndio que deflagrou no sábado e provocou 24 mortos, disse à agência Lusa fonte policial.

"Temos diversas equipas no local da ocorrência e outras vão a caminho, da Diretoria do Centro, em Coimbra, do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo e do Laboratório de Polícia Científica", estas duas sediadas em Lisboa, afirmou.Segundo a fonte, "a PJ não teve comunicação oficial de que houvesse um incêndio doloso", mas a partir do momento em que há ocorrência de mortes desloca-se para o local".

"Vamos analisar o local da ocorrência, identificar as vítimas e fazer as diligências necessárias", adiantou, sublinhando que estas diligências "demorarão o tempo que for necessário" e que através delas a PJ "irá tentar determinar a origem e causas do incêndio".

Vinte e quatro pessoas morreram no sábado no incêndio que deflagrou durante a tarde numa zona florestal no concelho de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e que continua a ser combatido na madrugada de hoje.

"Temos a confirmação de 19 vítimas mortais, civis", disse na noite de sábado o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que explicou que 16 pessoas morreram carbonizadas dentro dos carros em que seguiam, na estrada nacional que liga Figueiró a Castanheira de Pera.

Outras três pessoas morreram por inalação de fumos, no concelho de Figueiró dos Vinhos, acrescentou o secretário de Estado, em declarações aos jornalistas em Pedrógão Grande.Entretanto, já na madrugada de hoje, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o número de mortos subiu para 24.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20