Tragédia em Pedrógão Grande

Pedrógão Grande diz que não é necessária mais roupa para as vítimas

A Câmara de Pedrógão Grande informou esta sexta-feira que não são necessárias mais roupas para as vítimas do incêndio que deflagrou a 17 de junho e provocou a morte de 64 pessoas.

"No âmbito das doações solidárias que tão generosamente têm sido dadas à população pedroguense por várias instituições e pessoas, na sequência do incêndio que deflagrou a 17 de junho, a Câmara Municipal de Pedrógão Grande vem comunicar que, presentemente, não são necessárias mais roupas, atendendo à tão generosa solidariedade nacional e internacional que nos tem chegado", lê-se no comunicado enviado hoje à agência Lusa.

A autarquia reforça o seu "eterno e profundo agradecimento" ao povo português, no país e no estrangeiro, bem como a todas as instituições que têm ajudado Pedrógão Grande "a renascer".

"A todos os que de forma excelentemente benemérita nos têm vindo a ajudar a renascer, contribuindo com variados bens, palavras e afetos, muito obrigado. O trabalho continua de forma firme e focada", conclui o documento.

Dois grandes incêndios florestais começaram no dia 17 de junho em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos.

Foram extintos uma semana depois.Estes fogos terão afetado aproximadamente 500 imóveis, 205 dos quais casas de primeira habitação.

Os prejuízos diretos dos incêndios ascendem a 193,3 milhões de euros, estimando-se em 303,5 milhões o investimento em medidas de prevenção e relançamento da economia.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC