sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Marcelo agradece solidariedade e pede "resposta rápida sobre responsabilidades"

O Presidente da República agradeceu, hoje, a solidariedade manifestada pelos portugueses após os incêndios na região Centro e insistiu que é preciso uma "resposta rápida e exaustiva às interrogações sobre factos e responsabilidades".

Numa nota colocada no 'site' da Presidência da República, quando passa um mês sobre o incêndio de Pedrógão Grande que fez 64 mortos e mais de 250 feridos, Marcelo Rebelo de Sousa "agradece as sugestões, opiniões, palavras de solidariedade e votos de pesar que lhe foram dirigidos pelos portugueses" e apela ao apuramento rápido de responsabilidades.

"Depois de termos vivido uma dor sem medida perante uma tragédia quase sem precedentes na história do Portugal Democrático, aguardamos pela resposta rápida e exaustiva às interrogações sobre factos e responsabilidades", lê-se na nota.

Mas, ao mesmo tempo, prossegue Marcelo Rebelo de Sousa, deve-se "louvar o espírito nacional de entreajuda e de reconstrução, que muito tem contribuído para que seja mais rápida a recuperação das pessoas e comunidades atingidas pela tragédia", referindo-se aos donativos conseguidos, no valor de 13,3 milhões de euros.

"Tudo com a visão nacional, sempre demonstrada pela nossa pátria, ao longo dos séculos, perante as adversidades mais pesadas e complexas", concluiu o Presidente, que se encontra no México em visita de Estado.

Os incêndios de junho, iniciados em Pedrógão Grande, provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos e consumiram mais de 53 mil hectares.

Os fogos da região Centro afetaram aproximadamente 500 habitações, quase 50 empresas e os empregos de 372 pessoas.

Os prejuízos diretos dos incêndios ascendem a 193,3 milhões de euros, estimando-se em 303,5 milhões o investimento em medidas de prevenção e relançamento da economia.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.