Tragédia em Pedrógão Grande

Portaria estabelece medidas excecionais de apoio às populações e empresas de Pedrógão

Alzira Quevedo, 76 anos, junto à sua casa que ardeu juntamente com todos os seus bens, o carro, animais domésticos, mobiliário e eletrodomésticos, na Barraca da Boavista, Pedrógão Grande.

PAULO CUNHA/LUSA

A portaria que reconhece a situação excecional desencadeada pelo incêndio de Pedrógão Grande foi publicada em Diário da República e estabelece um conjunto de medidas de apoio às populações e empresas no âmbito da atuação da Segurança Social.

Em declarações, a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, explicou que esta portaria (254/2017), regulamenta e define procedimentos e detalha apoios a atribuir a pessoas e empresas no âmbito da atuação do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O diploma inclui atribuição de subsídios eventuais, criação de regimes extraordinários e transitórios de isenção, dispensa e diferimento do pagamento de contribuições e medidas no âmbito do emprego e de apoio à manutenção do emprego para trabalhadores afetados pelo incêndio.

"Este regime dos subsídios eventuais é um deles e é ao abrigo dele que os agricultores que tiveram perdas até 1.053 euros terão um apoio numa perspetiva de agricultura de subsistência, para fazer face a esses valores mais reduzidos que, de uma forma ágil, permitirá que na próxima semana possam já começar a receber", disse.

Depois, há ainda um outro grupo que inclui as medidas de apoio às empresas, onde surgem três principais.

A primeira inclui a isenção de pagamento de contribuições à Segurança Social durante seis meses, podendo ser prorrogado por mais seis meses para as empresas que foram diretamente afetadas pelos incêndios.

"Podem dirigir-se à Segurança Social a partir de agora e ficam com uma isenção de seis meses avaliável depois, por mais seis meses", explicou.

A segunda é uma medida de incentivo à contratação de trabalhadores que ficaram em situação de desemprego na sequência dos incêndios.

Nesse caso, a governante adianta que as empresas que contratarem esses trabalhadores terão 50% de redução das taxas contributivas, ou seja, pagarão metade das contribuições para a Segurança Social durante três anos.

"É uma medida de incentivo à contratação destes trabalhadores que perderam os seus postos de trabalho com os incêndios nestes sete municípios", frisou.

Os municípios são os de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra e Sertã.

A terceira grande medida permite às empresas na área do turismo, desde a restauração, alojamentos e outras, requererem à Segurança Social a partir de agora um diferimento do pagamento de contribuições durante seis meses.

"Durante seis meses não pagam contribuições e depois, passados esses seis meses, pagam através de um plano prestacional durante 12 meses. Isso permitirá às empresas fazer face às dificuldades de tesouraria que possam ter nestes próximos tempos e que lhes permita recuperar e pagar de uma forma mais faseada à Segurança Social", frisou.

Cláudia Joaquim adiantou ainda que, no caso destas empresas, não precisam de ter sido afetadas diretamente pelos incêndios.

"Isto porque se entendeu que as empresas da área do turismo podiam, de facto, ser afetadas de forma indireta, mas com impactos que podem ser significativos nas reservas", concluiu.

Lusa

  • Três sportinguistas analisam entrevista de Bruno de Carvalho
    1:29
  • Manuel Pinho não terá declarado dinheiro que recebeu
    2:45

    Economia

    Manuel Pinho não terá declarado ao Tribunal Constitucional o dinheiro que recebeu do chamado saco azul do Grupo Espírito Santo. Esta terça-feira, no Parlamento, o antigo ministro da Economia de José Sócrates foi questionado sobre o assunto mas recusou responder.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • Jovens tailandeses poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo
    2:30

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador resgatados de uma gruta da Tailândia já tiveram alta. Uma semana depois, saíram do hospital e deram uma conferência de imprensa em que se mostraram sorridentes. No entanto, os especialistas advertem que poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo, se forem obrigados recorrentemente a reviver tudo o que passaram.

  • Os portugueses que se cruzaram na vida de Mandela
    2:19
  • Cem anos de Mandela: o legado de um "gigante da História"

    Mundo

    Na história da Humanidade contam-se muito poucas figuras capazes de gerar uma aclamação unânime e global de elogio e agradecimento. Nelson Mandela está nessa lista de eleitos. No dia em que completaria 100 anos, recordamos o legado de "Madiba", um dos maiores impulsionadores da paz que este mundo já conheceu.

    André de Jesus

  • Será este o táxi mais autografado do mundo?
    2:27
  • Quem é a mais recente líder da Sonae?
    2:16
  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02

    País

    Uma rádio comunitária está no ar, por estes dias, no bairro do Intendente, em Lisboa. O projeto é temporário e termina no próximo domingo. Mas até lá, a Rádio Escuta chega a mais de 100 países, pela internet, e dá voz aos imigrantes de diversas origens que vivem em Lisboa.

  • Lisboa vai ser Capital Verde da Europa em 2020
    2:54

    País

    O vereador do Ambiente de Lisboa quer envolver todos os cidadãos, empresas e agentes culturais na Capital Verde da Europa em 2020. Lisboa é a primeira cidade do sul da Europa a conseguir a distinção e, até lá, a Câmara promete um conjunto de investimentos para tornar a capital portuguesa um exemplo na área ambiental. Um deles é a construção de uma central solar.

  • Donald Trump em nova polémica

    Mundo

    O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez estalar uma nova polémica ao chamar ao Montenegro um "país muito pequeno" cujos habitantes são "muito agressivos" e por parecer questionar o princípio da defesa mútua dentro da NATO.

  • Urso apanhado na piscina de moradia de luxo na Califórnia
    1:35