Tragédia em Pedrógão Grande

Mais de metade das vítimas em Pedrógão morreu num período de cerca de 15 minutos

Armando Franca

Mais de metade das mortes no incêndio que começou em 17 de junho em Pedrógão Grande terão ocorrido num espaço de tempo de cerca de 15 minutos, de acordo com o relatório da comissão técnica independente, divulgado esta quinta-feira.

A maior parte dos óbitos, 62 do total de 64 ("uma possível 65.ª vítima está sob investigação para determinação das causas da morte") ter-se-ão registado num período de 50 minutos, entre as 19:50 e as 20:40 daquele dia.

A primeira vítima terá falecido na zona de Ramalho, no concelho de Pedrógão Grande, pelas 19:50, "por volta das 20:05 o incêndio estaria próximo de Nodeirinho e Pobrais, prestes a chegar à EN 236-1 onde, por volta das 20:10, e terá provocado a maioria das vítimas nesta via de comunicação" acrescenta o documento.

As duas últimas mortes nesse dia ter-se-ão verificado pelas 20:40, junto a Vilas de Pedro, no concelho de Figueiró dos Vinhos, igualmente no distrito de Leiria, adianta o relatório, referindo que no dia seguinte (18 de junho) morreu, pelas 10:00, a 63.ª pessoa, na povoação Balsa, concelho de Castanheira de Pera, no interior da sua habitação, após reacendimento do fogo junto à casa. Um bombeiro, a 64.ª vítima, veio a falecer no hospital no dia 19 de junho.

No espaço de tempo compreendido entre sensivelmente as 20:05 e as 20:10 terão falecido 16 pessoas, nos cinco minutos seguintes 34 e entre esta hora e cerca das 20:20 morreram mais oito pessoas, calculam os técnicos envolvidos no relatório, indicando ainda que entre as 19:50 e as 20:10 se observaram dois óbitos e depois das 20:15 e até às 22:00 três (duas mortes pelas 20:40 e uma pelas 22:00, respetivamente).

A maioria das vítimas das chamas que deflagraram, naquele dia, em Pedrógão Grande (52%) faleceu dentro de viaturas, enquanto a morte de 23% ocorreu próximo das viaturas, até um raio de 50 metros, e 14% relativamente afastadas da viatura em que seguiam e da qual saíram na tentativa de escapar ao incêndio.

Não existem, no entanto, "evidências que permitam associar as mortes ocorridas em espaço aberto ou dentro das viaturas" ou ao não cumprimento das medidas de prevenção estrutural (abrangendo designadamente vias rodoviárias, aglomerações populacionais ou vegetação), em relação às quais "raramente se verificou o cumprimento integral das normas" legalmente estabelecidas.

A análise dos autores do documento aos relatos e processos relativos às vítimas também permitiu concluir que 45 das 64 vítimas (70%) estariam a fugir ao incêndio, tendo-se deslocado em viaturas.

Dezoito vítimas mortais (28%) não estariam a fugir ao incêndio, "havendo evidências de que algumas dessas pessoas estariam de passagem, de visita ao território, de regresso ao seu alojamento ou que terão saído de casa para ir ver onde 'andava o incêndio'".

Das 40 vítimas mortais que tinham residência habitual na região afetada pelo incêndio de Pedrógão Grande ou que a visitavam com regularidade "apenas quatro tiveram a sua casa ardida (as quatro vítimas que faleceram dentro das suas casas)", enquanto as restantes habitações, pertencentes às 36 vítimas deste incêndio residentes na região ou que a visitavam com regularidade, não arderam, sublinha o relatório.

As vítimas mortais que estariam a fugir ao incêndio percorreram uma distância relativamente curta (entre 100 e 2.400 metros) até ao local da fatalidade, calculam ainda os técnicos.

Lusa

  • Três sportinguistas analisam entrevista de Bruno de Carvalho
    1:29
  • Manuel Pinho não terá declarado dinheiro que recebeu
    2:45

    Economia

    Manuel Pinho não terá declarado ao Tribunal Constitucional o dinheiro que recebeu do chamado saco azul do Grupo Espírito Santo. Esta terça-feira, no Parlamento, o antigo ministro da Economia de José Sócrates foi questionado sobre o assunto mas recusou responder.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • Jovens tailandeses poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo
    2:30

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador resgatados de uma gruta da Tailândia já tiveram alta. Uma semana depois, saíram do hospital e deram uma conferência de imprensa em que se mostraram sorridentes. No entanto, os especialistas advertem que poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo, se forem obrigados recorrentemente a reviver tudo o que passaram.

  • Os portugueses que se cruzaram na vida de Mandela
    2:19
  • Cem anos de Mandela: o legado de um "gigante da História"

    Mundo

    Na história da Humanidade contam-se muito poucas figuras capazes de gerar uma aclamação unânime e global de elogio e agradecimento. Nelson Mandela está nessa lista de eleitos. No dia em que completaria 100 anos, recordamos o legado de "Madiba", um dos maiores impulsionadores da paz que este mundo já conheceu.

    André de Jesus

  • Será este o táxi mais autografado do mundo?
    2:27
  • Quem é a mais recente líder da Sonae?
    2:16
  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02

    País

    Uma rádio comunitária está no ar, por estes dias, no bairro do Intendente, em Lisboa. O projeto é temporário e termina no próximo domingo. Mas até lá, a Rádio Escuta chega a mais de 100 países, pela internet, e dá voz aos imigrantes de diversas origens que vivem em Lisboa.

  • Lisboa vai ser Capital Verde da Europa em 2020
    2:54

    País

    O vereador do Ambiente de Lisboa quer envolver todos os cidadãos, empresas e agentes culturais na Capital Verde da Europa em 2020. Lisboa é a primeira cidade do sul da Europa a conseguir a distinção e, até lá, a Câmara promete um conjunto de investimentos para tornar a capital portuguesa um exemplo na área ambiental. Um deles é a construção de uma central solar.

  • Donald Trump em nova polémica

    Mundo

    O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez estalar uma nova polémica ao chamar ao Montenegro um "país muito pequeno" cujos habitantes são "muito agressivos" e por parecer questionar o princípio da defesa mútua dentro da NATO.

  • Urso apanhado na piscina de moradia de luxo na Califórnia
    1:35