sicnot

Perfil

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Retomadas buscas para encontrar criança desaparecida em Caxias

Em desenvolvimento

As buscas para encontrar a criança de quatro anos que está desaparecida desde segunda-feira, após ter caído ao rio na zona da praia de Caxias, em Oeiras, vão ser retomadas pelas 07:30 de hoje, informou a Polícia Marítima.

(ARQUIVO)

(ARQUIVO)

A fonte da Polícia Marítima disse à Lusa que as buscas vão ser retomadas pelas 07:30 com equipas por terra e por mar, com duas lanchas.

A mesma fonte disse ainda não saber se irá ser acionado o helicóptero da Marinha, que já na segunda-feira à noite esteve envolvido nas buscas.

Uma criança de 19 meses morreu e outra de quatro anos está desaparecida depois de terem caído ao rio na zona da praia de Caxias, em Oeiras, avançou na segunda-feira à noite o comandante Malaquias Domingues, da Capitania de Lisboa.

Segundo o comandante Malaquias Domingues, uma testemunha ocular viu uma mulher a sair da água, em estado pânico e em avançado estado de hipotermia, e afirmar que as suas duas filhas estavam dentro de água.

O comandante Malaquias Domingos explicou que a criança de 19 meses foi retirada da água e alvo de tentativa de reanimação, no areal da Praia da Giribita, em Paço de Arcos, Oeiras, mas acabou por morrer no local, continuando desaparecida outra menina de quatro anos.

A mulher, de 37 anos, foi transferida para o Hospital São Francisco Xavier.

Fonte da Polícia Marítima adiantou ainda à Lusa que as buscas para encontrar a criança desaparecida decorreram até cerca das 03:00 da madrugada de hoje, frisando que apesar de terem sido suspensas, ficaram no local dois agentes.

  • Polícia Marítima prepara operações de mergulho para encontrar criança desaparecida
    1:06

    País

    As operações de busca da menina de 4 anos desaparecida em Caxias, Oeiras, vão incluir operações de mergulho da Polícia Marítima, de acordo com o Comandante da Capitania do Porto de Lisboa. No local estão ainda homens a pé a patrulhar as praias. Uma bebé de 19 meses morreu a noite passada numa praia e uma criança de 4 anos está desaparecida na mesma zona desde o início da noite. A Polícia Judiciária está a investigar as circunstâncias em que tudo aconteceu.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.