sicnot

Perfil

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Retomadas as buscas para encontrar criança desaparecida em Caxias

As buscas para encontrar a criança desaparecida desde segunda-feira, na praia de Caxias, foram retomadas às 7:30 de hoje.

Pedro Nunes

Segundo o comandante da Capitania do Porto de Lisboa, "já são muito reduzidas as probabilidades de encontrar o corpo", mas as buscas vão manter-se com duas embarcações ao longo da margem norte do rio e nas praias da Costa da Caparica.

Malaquias Domingues alega que a "passagem dos dias" desde o desaparecimento, "as correntes e a determinação do sítio" onde o corpo possa estar são as principais causas para ainda não se ter encontrado a criança.

As buscas vão manter-se durante o fim de semana com apenas uma embarcação e com uma patrulha em terra, nas praias da Costa da Caparica.

Uma criança de 19 meses morreu e outra de quatro anos está desaparecida desde a noite de segunda-feira. O alerta foi dado por uma testemunha que viu uma mulher sair da água, em pânico e em avançado estado de hipotermia, a afirmar que as suas duas filhas estavam dentro de água.

A criança de 19 meses foi resgatada e alvo de tentativa de reanimação, sem sucesso.

A mãe foi internada no Hospital de Santa Maria e, na quarta-feira, foi detida pela Polícia Judiciária e presente a primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Cascais, que decretou a sua prisão preventiva por suspeita de duplo homicídio qualificado.

Em declarações à agência Lusa, fonte da Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco da Amadora adiantou, na terça-feira, que a família estava sinalizada e que a mulher já tinha apresentado queixa na polícia por violência doméstica e suspeita de abusos sobre as meninas por parte do pai.

Com Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06