sicnot

Perfil

TSU/PEC

Descida da TSU será paga pelo Orçamento do Estado

O acordo para o aumento do salário mínimo prevê que a perda de receita para a Segurança Social com a descida da TSU seja compensada com dinheiro do Orçamento do Estado, noticia o semanário Expresso. Os partidos da esquerda não concordam.

Última atualização às 13:05

A descida da TSU para as empresas foi uma contrapartida imposta pelos patrões
para aceitarem um aumento do salário mínimo para os 557 euros já a partir de domingo.

Essa redução de 1,25% deverá custar à Segurança Social cerca de 40 milhões de euros, de acordo com o Governo. O semanário Expresso escreve que esse valor vai ser transferido do Orçamento do Estado para os cofres da Segurança Social.

A lei prevê que, quando há uma descida da Taxa Social Única, 50% do valor
seja assegurado pelo Orçamento. Agora foi decidido transferir 100% do valor para garantir que a Segurança Social não fique a perder dinheiro.

Mas a intenção não está a agradar ao PCP e ao Bloco. Ambos os partidos dizem que não devem ser os contribuintes a subsidiar os patrões e já avançaram
com um pedido de apreciação parlamentar da medida.

Apesar disso, o aumento do salário mínimo deve fazer aumentar as receitas fiscais, nomeadamente do IVA, e também os descontos para a Segurança Social que, pelas contas do semanário, devem render mais de 22 milhões de euros.

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.