sicnot

Perfil

TSU/PEC

Relações da esquerda continuam boas, garante Costa

MIGUEL A. LOPES/LUSA

António Costa classifica como "bom" o estado das relações políticas entre o Governo e os partidos que o suportam no Parlamento, apesar das divergências sobre a descida da Taxa Social Única. A garantia foi deixada a reunião da Comissão Política Nacional do PS, ontem à noite.

De acordo com fontes socialistas citadas pela Lusa, esta opinião foi transmitida por António Costa, após uma pergunta formulada pelo dirigente da UGT José Abraão, que considerou "estranha" a contestação "dura" que está a ser feita pelo PCP, Verdes e Bloco de Esquerda ao acordo de concertação social celebrado pelo Governo.

Em causa está a medida que concede aos empregadores uma descida da TSU em 1,25% como compensação a um aumento do salário mínimo para os 557 euros.

José Abraão quis saber qual o real estado atual das relações entre Governo, PCP, Bloco de Esquerda e PEV, mas, segundo as mesmas fontes, António Costa afastou totalmente qualquer cenário de crise e definiu como globalmente bom o relacionamento com essas forças políticas.

Ana Catarina Mendes desdramatiza

Perante os jornalistas, no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, na mesma linha de António Costa, a secretária-geral adjunta dos socialistas, Ana Catarina Mendes, também procurou desdramatizar a posição assumida pelo Bloco de Esquerda, PCP e PEV em relação à descida da TSU.

"O Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV sempre disseram que estavam contra a descida da TSU. Os partidos que apoiam o Governo do PS sempre disseram quais eram as suas convergências e as suas divergências", alegou a número dois da direção dos socialistas. Por isso, acrescentou Ana Catarina Mendes, na questão da TSU, "sempre foi conhecida essa divergência".

"Não façamos disto um caso. Quem mudou de posição não foi o PS, não foi o PCP ou o Bloco de Esquerda. Quem mudou de posição foi Pedro Passos Coelho e o PSD", acusou Ana Catarina Mendes.

Com Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48