sicnot

Perfil

TSU/PEC

CGTP espera revogação da descida da TSU no Parlamento

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP.

In\303\241cio Rosa

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta quinta-feira esperar que os partidos concretizem no Parlamento as suas promessas em torno da Taxa Social Única (TSU), considerando que este é o momento certo para revogar esta medida.

"Vamos aguardar até à próxima semana na perspetiva de que os partidos que se comprometeram a votar pela revogação da TSU venham a concretizar a sua promessa em votos e em maioria na Assembleia da República(...). Também aqui, mais do que falar, é preciso concretizar", afirmou Arménio Carlos, que falava à Lusa depois de uma reunião com o grupo parlamentar do PCP sobre o assunto.

"Esse compromisso conseguimos assegurar do PCP, que desde logo se manifestou disponível para concretizar este objetivo de revogar a TSU e estamos a aguardar reuniões com os restantes partidos para também verificar qual a disponibilidade de cada um deles para que isto se venha a concretizar", acrescentou.

Na terça-feira, patrões, UGT e Governo assinaram o Compromisso para um Acordo de Médio Prazo, que prevê o aumento do salário mínimo nacional para 557 euros e a descida da TSU em 1,25 pontos percentuais.

Para Arménio Carlos, a TSU deve ser revogada pois o salário mínimo nacional "não pode servir de moeda de troca para colocar as empresas privadas na subsidiodependência dos dinheiros da segurança social e também do Orçamento do Estado".

"A queda da taxa social única corresponde a uma confrontação com a manutenção de um sistema de baixos salários e trabalho precário e de um bloqueio da contratação coletiva que estava subjacente", disse o secretário-geral da CGTP.

"O que o acordo entre o Governo e as confederações patronais consagrava era beneficiar, premiar as entidades empregadoras que neste caso concreto contratassem trabalhadores com vínculos precários, que bloqueassem a contratação coletiva e que oferecessem o salário mínimo nacional", considerou Arménio Carlos, lembrando que o salário mínimo abrange 21% dos trabalhadores, quando há cerca de seis anos não ultrapassava os 11%.

O secretário-geral da CGTP sublinhou ainda: "o salário mínimo nacional não se pode transformar na referência salarial nacional. Isso seria mau porque acentuaria as desigualdades e bloquearia a evolução das carreiras profissionais e os restantes salários".

Lusa

  • Quem é Elon Musk?
    9:42
  • "Bashar Al-Assad continua a fazer tudo o que quer contra o seu próprio povo"
    0:48
  • A história da neta de um dos mais cruéis comandantes da II Guerra Mundial
    3:20