sicnot

Perfil

TSU/PEC

CGTP espera revogação da descida da TSU no Parlamento

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP.

In\303\241cio Rosa

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta quinta-feira esperar que os partidos concretizem no Parlamento as suas promessas em torno da Taxa Social Única (TSU), considerando que este é o momento certo para revogar esta medida.

"Vamos aguardar até à próxima semana na perspetiva de que os partidos que se comprometeram a votar pela revogação da TSU venham a concretizar a sua promessa em votos e em maioria na Assembleia da República(...). Também aqui, mais do que falar, é preciso concretizar", afirmou Arménio Carlos, que falava à Lusa depois de uma reunião com o grupo parlamentar do PCP sobre o assunto.

"Esse compromisso conseguimos assegurar do PCP, que desde logo se manifestou disponível para concretizar este objetivo de revogar a TSU e estamos a aguardar reuniões com os restantes partidos para também verificar qual a disponibilidade de cada um deles para que isto se venha a concretizar", acrescentou.

Na terça-feira, patrões, UGT e Governo assinaram o Compromisso para um Acordo de Médio Prazo, que prevê o aumento do salário mínimo nacional para 557 euros e a descida da TSU em 1,25 pontos percentuais.

Para Arménio Carlos, a TSU deve ser revogada pois o salário mínimo nacional "não pode servir de moeda de troca para colocar as empresas privadas na subsidiodependência dos dinheiros da segurança social e também do Orçamento do Estado".

"A queda da taxa social única corresponde a uma confrontação com a manutenção de um sistema de baixos salários e trabalho precário e de um bloqueio da contratação coletiva que estava subjacente", disse o secretário-geral da CGTP.

"O que o acordo entre o Governo e as confederações patronais consagrava era beneficiar, premiar as entidades empregadoras que neste caso concreto contratassem trabalhadores com vínculos precários, que bloqueassem a contratação coletiva e que oferecessem o salário mínimo nacional", considerou Arménio Carlos, lembrando que o salário mínimo abrange 21% dos trabalhadores, quando há cerca de seis anos não ultrapassava os 11%.

O secretário-geral da CGTP sublinhou ainda: "o salário mínimo nacional não se pode transformar na referência salarial nacional. Isso seria mau porque acentuaria as desigualdades e bloquearia a evolução das carreiras profissionais e os restantes salários".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.