sicnot

Perfil

TSU/PEC

OCDE defende redução da TSU em empresas que paguem salário mínimo

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) recomendou esta quinta-feira ao Governo a redução da Taxa Social Única (TSU) nas empresas que paguem o salário mínimo, incluindo as novas contratações.

O objetivo é, segundo a OCDE, que "o impacto dos aumentos planeados no salário mínimo na oferta de emprego seja suavizado".

Esta é uma das 20 recomendações que a OCDE faz no relatório Reformas no Mercado Laboral em Portugal 2011-2015, divulgado e apresentado esta quinta-feira em Lisboa, e surge depois de patrões, UGT e Governo terem assinado o Compromisso para um Acordo de Médio Prazo, que prevê o aumento do salário mínimo nacional para 557 euros e a descida transitória da TSU em 1,25 pontos percentuais. O decreto-lei que estabelece a descida da TSU em 1,25 pontos percentuais para os empregadores foi aprovado pelo Governo na segunda-feira e promulgado um dia depois pelo Presidente da República.

Esta descida da TSU foi acordada em sede de Concertação Social entre o Governo e os parceiros sociais em dezembro - à exceção da CGTP -, como forma de compensação do aumento do salário mínimo para 557 euros, que já está em vigor.

A OCDE recomenda ainda no relatório a constituição de uma comissão independente com representantes dos parceiros sociais que seja responsável por dar "informação imparcial" e aconselhar em futuras alterações ao salário mínimo, "considerando cuidadosamente as condições do mercado de trabalho no presente e no futuro". No relatório, a organização refere que as contribuições sociais dos trabalhadores e os impostos pagos pelos patrões quando se trata do salário mínimo nacional são maiores do que na maior parte dos países da OCDE.

A OCDE considera ainda preocupante a aproximação do salário mínimo ao salário médio em Portugal e vê com receio o possível efeito de desemprego para os trabalhadores sem qualificações quando o salário mínimo for elevado para os 600 euros em 2019, como é intenção do Governo.

Em relação ao horário do trabalho, a OCDE recomenda a redução da generosidade das compensações ao trabalho de curta duração à medida que a recuperação económica se torna mais sustentável, de forma a prevenir que estes esquemas possam representar um obstáculo para a recuperação do mercado laboral.

Lusa

  • PSD não muda voto contra descida da TSU
    0:42

    TSU/PEC

    O PSD está irredutível quanto à descida da Taxa Social Única. A confirmação é feita pelo secretário-geral da UGT, Carlos Silva, que esteve reunido com Passos Coelho para o tentar demover do voto contra.

  • Pedro Nuno Santos nega crise entre a esquerda
    0:41

    País

    Pedro Nuno Santos nega que exista uma crise entre os partidos de esquerda e diz-se confiante de que o Governo vá durar até 2019. Em respostas às críticas de Francisco Assis, o socialista diz que no país ninguém quer eleições antecipadas.

  • O que é a Taxa Social Única
    2:54

    TSU/PEC

    A TSU é uma conversa antiga entre governos, oposição e parceiros sociais. E nos últimos anos tem sido umas das principais moedas de troca, quer para subir salários quer para incentivar a contratação. Pedro Benevides explica o que é a TSU e de que forma está a dividir as opiniões no parlamento.

  • Descida da TSU pode estar em risco
    2:59

    Economia

    O parlamento debate e vota dia 25 de janeiro as apreciações parlamentares do BE e PCP para revogar a descida da TSU. O ex-presidente do Conselho Económico e Social considera que Passos está a trair a identidade do PSD e tem esperança de que ainda reconsidere. Já o PS diz que, mesmo que a medida seja chumbada, o acordo de Concertação Social será honrado.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11