sicnot

Perfil

TSU/PEC

PCP rejeita "plano B" para compensar empresas pela subida de salário mínimo

© Rafael Marchante / Reuters

O secretário-geral do PCP rejeitou esta sexta-feira viabilizar alternativas que compensem a eliminação da descida da Taxa Social Única (TSU), considerando que o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN) "não tem de arrastar qualquer bónus para as empresas".

No final de um encontro com a Associação Intervenção Democrática - que integra a CDU, em períodos eleitorais - e questionado se o PCP poderá apoiar algum "plano B" do Governo para compensar as empresas do provável "chumbo" no parlamento da descida da TSU, Jerónimo de Sousa respondeu negativamente.

"Não, o PCP continua a considerar que é estar a misturar o que não deve ser misturado, o aumento do SMN e bónus para as empresas, isso deve ser claramente separado", frisou.

"Não consideramos que haja necessidade de alternativas. O quadro do aumento do SMN foi verificado (...) não tinha que arrastar qualquer bónus ou qualquer compensação para as empresas, para o patronato", justificou.

Na próxima quarta-feira serão debatidas e votadas na Assembleia da República apreciações parlamentares de PCP e BE que pedem a eliminação da descida da TSU para os empregadores em 1,25 pontos percentuais (aprovada em concertação social, a par do aumento do SMN de 530 para 557 euros), que deverão ser aprovadas com o voto favorável do PSD.

Questionado se esta posição do PCP pode pôr em causa a estabilidade da atual solução governativa, Jerónimo de Sousa voltou a referir que os comunistas apenas estão comprometidos com a posição conjunta que assinaram com o PS.

"Hoje, particularmente o PSD, está a ser vítima do próprio engano que criou: sempre foi claro que aquilo que determina a convergência e compromisso com o PS está inscrito na posição conjunta que define esse grau de compromisso e nível de convergência", disse.

Para o secretário-geral do PCP, o partido está livre de manifestar as suas divergências a cada momento, uma vez que "não há nenhum acordo parlamentar nem governativo", lembrando que tal já aconteceu no passado - quando foi o PSD a viabilizar a resolução do Banif - e vaticinando que se repetirá no futuro.

"Vamos encontrar num futuro próximo outras convergências, outras divergências, não dramatizamos, estamos a ser coerentes com o que nos comprometemos nessa posição conjunta", afirmou.

Sobre o encontro com os dirigentes da Intervenção Democrática (ID), Jerónimo de Sousa enquadrou-o nas decisões tomadas no último congresso do partido, de apresentar as principais conclusões da reunião magna a outros partidos e movimentos.

"Tendo em conta a sua participação e empenhamento na CDU e tendo em conta a proximidade das eleições autárquicas, viemos dialogar na perspetiva dessa participação se confirmar", disse.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.