sicnot

Perfil

TSU/PEC

"Os Verdes" acusam PS de desconformidade com posição conjunta sobre TSU

Deputado do Partido Ecologista Os Verdes (PEV), José Luís Ferreira.

ANT\303\223NIO COTRIM

O deputado ecologista José Luís Ferreira acusou hoje o Governo socialista de desconformidade com a posição conjunta que o legitimou (novembro de 2015), devido ao acordo de concertação social que implicou a baixa da Taxa Social Única (TSU).

O dirigente do PEV avançou ainda com uma alternativa de estímulo ao investimento por parte das Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME) - forçar a banca a dar mais crédito -, após receber o parceiro de coligações eleitorais, PCP, na sede ecologista, em Lisboa, a fim de trocarem impressões sobre as conclusões do XX Congresso dos comunistas, em dezembro, em Almada.

"Consideramos que o Governo do PS, quando acertou na concertação social a redução da TSU, não agiu em conformidade com a posição conjunta que estabeleceu com o PEV. O Governo veio dizer que não se trata de uma violação, de uma desconformidade, porque a medida é transitória e não estrutural", criticou.

No acordo bilateral assinado em 10 de novembro de 2015, à semelhança do que foi feito pelo PS com BE e PCP, socialistas e ecologistas concordaram que "não constará do programa de Governo qualquer redução da TSU das entidades empregadoras", no número 2. do ponto VI ("Questões salariais/Segurança Social").

A posição conjunta PS/BE também contempla exatamente a mesma formulação no seu ponto 3 do Anexo. Já o documento celebrado entre PS e PCP não faz referência a esta matéria, uma vez que comunistas e socialistas nunca chegaram a acordo quanto à evolução do Salário Mínimo Nacional (SMN), que o PCP defendeu desde 2016 dever situar-se em 600 euros."De facto, [Notes:a baixa na TSU] é só para 2017, mas Os Verdes não podem aceitar que se prolongue por toda a legislatura.

Se há alguma desconformidade, a sua consumação... só a 01 de fevereiro podemos dizer se houve ou não porque não está nada fechado. Tudo indica que a redução da TSU amanhã (quarta-feira) não passará no parlamento", continuou José Luís Ferreira.Por iniciativa de BE e PCP, o parlamento discute e vota na quarta-feira uma apreciação parlamentar que pretende revogar o diploma do Governo socialista que baixa temporariamente a contribuição das empresas à segurança social por cada trabalhador com SMN de 557 euros, algo acordado em concertação social.

"A posição que tomámos foi a de votarmos contra e creio que posição mais enérgica do que esta não estou a ver qual seja. Logo no dia a seguir ao acordo da concertação social denunciámo-lo e confrontamos o primeiro-ministro no debate quinzenal na Assembleia da República.

Estamos no processo de boa-fé, com sentido de responsabilidade, mas não para 'fazer jeitos' a alguém", disse o tribuno ecologista.O líder parlamentar e presidente do PS, Carlos César, afirmou na véspera que se a baixa na TSU for 'chumbada' quarta-feira, o Governo socialista procurará uma alternativa com os parceiros políticos da esquerda e os parceiros sociais.

Além de votar a favor da revogação do diploma governamental sobre a TSU, o PEV vai protagonizar também uma iniciativa legislativa, em conjunto com BE e PCP, para que a baixa da TSU não chegue sequer a produzir efeitos a partir de 01 de fevereiro." [Notes:Necessário] era que o Governo obrigasse a banca, sobretudo a que recebeu ajudas do Estado, a estabelecer metas quantitativas de apoio às MPME, com juros bonificados e verbas contabilizadas porque a banca não está a emprestar dinheiro", defendeu ainda, lamentando a "agonia por causa dos custos dos fatores de produção (energia, combustíveis)".

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.