sicnot

Perfil

TSU/PEC

Há acordo de princípio para alternativa à TSU

Há acordo de princípio para alternativa à TSU

O Governo e os parceiros sociais chegaram na noite passada a um entendimento para ultrapassar o chumbo da descida da Taxa Social Únicas no Parlamento. A revelação foi feita pelas confederações patronais na SIC Notícias.

A proposta apresentada por António Costa passa pelo Pagamento Especial por Conta das empresas. Os patrões aceitam a garantia de que será compensada no mesmo valor da descida da TSU.

"Há um acordo de princípio que retira por valor de idêntico montante em sede de Pagamento Especial por Conta", disse António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), em declarações à SIC Notícias.

Segundo António Saraiva, o que a CIP exigia era uma "contrapartida de igual montante", de cerca de 40 milhões de euros. António Saraiva falava depois de um encontro hoje ao final do dia entre os representantes das empresas e industriais portugueses e o primeiro-ministro, António Costa, depois de o Parlamento ter revogado o decreto que baixava a Taxa Social Única (TSU) dos empregadores.

Para o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, a proposta do Governo ainda não é clara e deve ter em conta "todas as perturbações que o processo introduziu em termos de relação de confiança com o Governo e com o sistema político em geral".

"É preciso encontrar outras fórmulas que permitam restaurar o ambiente de confiança com as empresas, que estão preocupadas porque se habituaram ao longo dos anos que os acordos em concertação social fossem aceites por todos os órgãos do poder político em Portugal", insistiu.

A mesma opinião teve João Machado, presidente da Confederação de Agricultura de Portugal, sublinhando que é a "primeira vez que um acordo de concertação social é posto em causa por um órgão de soberania constitucional". "Preocupa-me como é que vamos ter palco no futuro para continuar a acordar coisas com o Governo (...), uma vez que o parlamento pode desrespeitar todas estas entidades", declarou.

Em relação ao acordo de princípio com o Governo, João Machado disse que o "PEC é talvez o pagamento que mais pode refletir o pagamento da TSU". "Temos de conhecer melhor a proposta. Do que depender de nós, temos toda a disponibilidade, assim que recebermos a proposta concreta, para perceber como pode ser melhorada", disse Francisco Calheiros, presidente da Confederação de Turismo de Portugal.

  • Passos chumba TSU para chumbar Marcelo

    Opinião

    Em 2012 o então Presidente Cavaco Silva foi essencial para alcançar um importante acordo de Concertação Social. Na altura não foi fácil para a UGT deixar a assinatura num acordo que trazia medidas duríssimas: os despedimentos eram facilitados, o subsídio de desemprego reduzido, apareciam os bancos de horas e cortavam-se férias e feriados. A troika estava em Portugal e o clima social e político, como todos nos lembramos, não podia estar mais crispado. Ainda assim, com um intenso e reconhecido trabalho de bastidores do então chefe de Estado, o acordo foi possível e acabou assinado em janeiro desse ano.

  • Maria Luís diz que descida da TSU era um incentivo perverso
    0:40

    TSU/PEC

    Maria Luís Albuquerque diz que o acordo que o Governo aprovou em concertação social era baseado num incentivo "perverso". A ex-ministra das Finanças esteve esta quarta-feira num jantar em Bruxelas em que comentou o chumbo da descida da TSU e a solução de um problema que considera que cabe ao Governo.

  • Redução da TSU chumbada

    TSU/PEC

    A redução da Taxa Social Única para as empresas foi chumbada esta tarde no Parlamento, com os votos contra do PCP, Bloco de Esquerda, PEV e PSD e a abstenção do CDS-PP e do PAN.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48