sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Merkel admite novas sanções à Rússia se acordo de paz na Ucrânia falhar

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou hoje que a União Europeia (UE) continua empenhada no diálogo com a Rússia sobre a situação na Ucrânia, mas voltou a admitir novas sanções se os acordos de paz falharem.

© Yves Herman / Reuters

"Se o Acordo de Minsk for violado de modo flagrante, as sanções são uma opção a considerar", disse hoje Angela Merkel numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

A chanceler alemã realçou que, na reunião de hoje na Comissão Europeia, as sanções foram abordadas mas que foi sobretudo discutido como aplicar o acordo de paz acordado em Minsk, na Bielorrússia, em fevereiro entre os líderes da Rússia, Ucrânia, Alemanha e França, acrescentando que continuam as conversações com Moscovo para travar a violência no leste da Ucrânia. 

A prestação de ajuda humanitária, a assistência à Ucrânia no seu programa de reformas e o reforço da missão da OSCE - Organização de Segurança e Cooperação na Europa para monitorizar a situação no terreno também foram falados no encontro de hoje em Bruxelas, referiu.

Esta terça-feira, Merkel falou por teleconferência com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre a Ucrânia. 

Na segunda-feira, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, tinha dito que estava esperançoso quanto ao início de um clima de mudança na Ucrânia, após um encontro em Genebra com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, mas não excluiu a hipótese de existirem novas sanções contra a Rússia e a economia russa.

Ainda na conferência de imprensa de hoje, tanto Merkel como Juncker reiteraram que ainda não estão reunidas as condições para uma cimeira conjunta entre a União Europeia e a Rússia.

Segundo as Nações Unidas, mais de 6.000 pessoas morreram na Ucrânia desde o início da violência em abril de 2014, em que a Rússia é acusada de apoiar os separatistas do leste ucraniano, fornecendo-lhes armas e tropas. Moscovo sempre desmentiu qualquer envolvimento no conflito.



Lusa

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos 8 jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Rui Rio alerta que violações do segredo de justiça ameaçam democracia
    2:16

    País

    Rui Rio diz que não pede demissões "a cada esquina" e prefere aguardar pelas respostas do ministro Adjunto Siza Vieira, sobre o alegado conflito de interesses com os acionistas chineses da EDP. O líder do PSD esteve esta terça-feira reunido com a direção nacional da Polícia Judiciária, onde defendeu que a violação do segredo de justiça é insustentável e ameaça o regime democrático.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47