sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Ucrânia aprova aumento das Forças Armadas para 250 mil tropas

O parlamento da Ucrânia aprovou hoje a ampliação das Forças Armadas para 250 mil homens, um aumento correspondente a 30 por cento, a semanas de se assinalar um ano de conflito armado no leste do país.

(Reuters/Arquivo)

A proposta de lei foi aprovada por 270 dos 423 deputados da Rada Suprema.

Em meados de janeiro, durante a ofensiva lançada pelos separatistas pró-russos contra o aeroporto de Donetsk (leste), as autoridades ucranianas anunciaram a mobilização de 50 mil homens.

A maioria dos novos militares será enviada para zonas vizinhas de Donetsk e Lugansk, onde os separatistas controlam menos de metade do território, para render as tropas que combatem os milicianos desde maio.

O conflito armado, iniciado em abril de 2014, já fez mais de mil mortos entre as forças governamentais.

Desde então, o governo de Kiev reinstaurou o serviço militar obrigatório e a mobilização parcial dos reservistas.



Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.