sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Parlamento Europeu aprova ajuda suplementar de 1800 milhões à Ucrânia

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira, por larga maioria, uma ajuda financeira adicional de 1.800 milhões de euros para a Ucrânia, atingida por uma recessão profunda e pelos efeitos do conflito com os separatistas russos no leste do país.

O novo programa de assistência macrofinanceira, que também já obteve luz verde do Conselho de Ministros da União Europeia (UE), destina-se a ajudar a Ucrânia a ultrapassar os desafios que o país enfrenta, como a fragilidade da balança de pagamentos e a situação orçamental. (Arquivo)

O novo programa de assistência macrofinanceira, que também já obteve luz verde do Conselho de Ministros da União Europeia (UE), destina-se a ajudar a Ucrânia a ultrapassar os desafios que o país enfrenta, como a fragilidade da balança de pagamentos e a situação orçamental. (Arquivo)

© Marko Djurica / Reuters

O novo programa de assistência macrofinanceira, que também já obteve luz verde do Conselho de Ministros da União Europeia (UE), destina-se a ajudar a Ucrânia a ultrapassar os desafios que o país enfrenta, como a fragilidade da balança de pagamentos e a situação orçamental.

Também se pretende dar um contributo para que o novo Governo reformista reforce o país e enfrente os desafios económicos e políticos.

Para o desembolso da ajuda, a Ucrânia terá de continuar a aplicar o atual programa do Fundo Monetário Internacional (FMI) e executar as políticas económicas e financeiras que a Comissão Europeia e o governo ucraniano estabeleceram no memorando de entendimento.

A ajuda pode ser aplicada durante 2015 e até ao início de 2016, tratando-se da terceira destinada à Ucrânia desde 2010.
Lusa
  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12
  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42

    Mundo

    Depois da crise dos telemóveis Samsung Note 7 com bateria defeituosa que podia explodir, a marca tinha que lançar um aparelho inovador. O S8 foi anunciado esta quarta-feira em Londres. O repórter da SIC, Lourenço Medeiros, foi ver como é.

    Enviado SIC