sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Pelo menos um morto em Donetsk após disparos de artilharia ucraniana

Pelo menos uma pessoa morreu esta noite em Donetsk devido a disparos da artilharia ucraniana, informou hoje a autarquia, principal bastião dos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Marko Djurica / Reuters

"Como resultado do impacto de um projétil de artilharia num edifício de vivendas de dois andares (...) ficaram destruídos o teto e três apartamentos do segundo andar. Uma pessoa morreu", lê-se num comunicado das autoridades pró russas de Donetsk. 

A autarquia denuncia que "as Forças Armadas da Ucrânia retomaram os bombardeamentos em Donetsk".

Durante a noite, foram ouvidas várias explosões na cidade, onde esta manhã a situação era calma, constatou a agência Efe. 

O chefe da milícia autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) denunciou hoje que as tropas de Kiev intensificaram os ataques com a recurso a armamento pesado.

"Nas últimas 24 horas, os militares ucranianos abriram fogo contra o território da RPD em 29 ocasiões", refere a DAN, a agência de notícias dos pro russos. 

Segundo os rebeldes, além das cidades de Donetsk e Gorlovka, foram atacadas uma série de localidades, incluindo Shirokino, uma aldeia que foi um cenário de intensos combates, apesar da trégua que entrou em vigor a 15 de fevereiro passado.

O comando das forças ucranianas destacadas na zona de conflito acusou as milícias de disparem todo o tipo de armamento, incluindo morteiros e canhões de grande calibre, contra as posições das forças governamentais.

Segundo dados da ONU, mais de 6.200 pessoas, entre combatentes e civis, perderam a vida e mais de 14.000 ficaram feridas no conflito no leste da Ucrânia. 


Lusa

  • NATO garante reforço do combate ao Estado Islâmico
    0:36

    Daesh

    Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da NATO estão reunidos na Turquia para discutir a situação na Ucrânia e o combate ao Estado Islâmico. O secretário-geral da NATO deixou a garantia de que a organização vai avançar com mais ações contra o terrorismo do grupo jihadista.

  • Putin debate com Merkel conflito no leste da Europa
    1:14

    Mundo

    A chanceler alemã, Angela Merkel, está na Rússia para homenagear os soldados soviéticos mortos na Segunda Guerra Mundial. Uma deslocação marcada pela crise na Ucrânia e pelas relações tensas entre Moscovo e Berlim. O Presidente russo Vladimir Putin debateu com a chanceler Merkel o conflito no leste da Europa.

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC