sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Grupo de contacto sobre a Ucrânia volta a reunir-se hoje

Representantes do governo ucraniano e dos rebeldes separatistas pró-russos voltam a reunir-se hoje Minsk, na Bielorrússia, numa tentativa para reforçar os acordos de paz no âmbito do Grupo de contacto que inclui ainda a Rússia e a OSCE.  

Em meados de fevereiro a chanceler alemã, Angela Merkel, e os presidentes francês, François Hollande, russo, Vladimir Putin, e ucraniano, Petro Poroshenko, estiveram reunidos em Minsk (Reuters/ Arquivo)

Em meados de fevereiro a chanceler alemã, Angela Merkel, e os presidentes francês, François Hollande, russo, Vladimir Putin, e ucraniano, Petro Poroshenko, estiveram reunidos em Minsk (Reuters/ Arquivo)

© Handout . / Reuters

Em meados de fevereiro a chanceler alemã, Angela Merkel, e os presidentes francês, François Hollande, russo, Vladimir Putin, e ucraniano, Petro Poroshenko, estiveram reunidos em Minsk para participar numa cimeira destinada a encontrar uma solução para o conflito na Ucrânia.

Após 16 horas de negociações, as partes conseguiram alcançar um acordo de cessar-fogo, respeitado na generalidade mas muito fragilizado segundo os observadores. 

Um relatório das Nações Unidas divulgado segunda-feira refere que mais de 6.400 pessoas foram mortas num ano devido ao conflito no leste da Ucrânia, onde apesar de um abrandamento dos combates persistem as violações graves dos direitos humanos.  

O balanço das violências entre os rebeldes separatistas pró-russos e as forças de Kiev entre meados de abril de 2014 e 30 de maio de 2015 é de 6.417 mortos e 15.962 feridos na zona do conflito no leste da Ucrânia, precisa. 

O relatório lembra que cinco milhões de pessoas que viviam na zona de conflito foram profundamente afetadas, incluindo os 1,2 milhões de deslocados, pedindo que sejam aplicadas todas as medidas previstas nos acordos de Minsk, assinados em fevereiro.


Lusa
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".