sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Malásia quer tribunal especial para julgar queda do voo MH17

A Malásia entregou à ONU um projeto de resolução, pedindo a criação de um tribunal especial para julgar os responsáveis pela queda do voo MH17, o Boeing malaio abatido no leste da Ucrânia, em julho de 2014.

O voo MH17 fazia a ligação entre a capital holandesa e Kuala Lumpur, mas despenhou-se a 17 de julho do ano passado, na região de Donetsk. A bordo, seguiam 298 pessoas e nenhuma sobreviveu. (Arquivo)

O voo MH17 fazia a ligação entre a capital holandesa e Kuala Lumpur, mas despenhou-se a 17 de julho do ano passado, na região de Donetsk. A bordo, seguiam 298 pessoas e nenhuma sobreviveu. (Arquivo)

© Maxim Shemetov / Reuters

O projeto de resolução, a que a AFP teve acesso, pede a criação do tribunal ao abrigo do capítulo 7 da Carta da ONU, para obrigar os países membros a colaborar com o tribunal, sob pena de sofrerem sanções.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines foi abatido a 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia, durante o combate entre os separatistas pró-russos e as forças governamentais ucranianas. A maioria dos 298passageiros era holandesa.

A Ucrânia e os Estados Unidos afirmam que o aparelho foi abatido por um míssil dos separatistas, fornecido por Moscovo. A Rússia, por seu lado, acusou o exército ucraniano.

O tribunal será "a garantia efetiva de um processo independente e imparcial para que os responsáveis prestem contas", precisou a Malásia, para quem a queda do avião constitui "uma ameaça à paz e à segurança no mundo".

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, disse na sexta-feira que um tribunal especial da ONU seria "a melhor opção" para julgar os responsáveis.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.