sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Rússia rejeita tribunal especial da ONU sobre queda do voo MH17 na Ucrânia

O Presidente da Rússia considerou hoje que a criação de um tribunal especial nas Nações Unidas para julgar os responsáveis pelos 298 mortos do voo MH17 da Malaysia Airlines abatido sobre a Ucrânia, há um ano, seria "contraproducente".

Julho, 2014

Julho, 2014

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Vladimir Putin explicou em pormenor a posição da Rússia sobre a iniciativa prematura e contraproducente para vários países, incluindo a Holanda, de estabelecer um tribunal para julgar os responsáveis" pela queda do avião, disse o Kremlin através de um comunicado na sequência de uma conversa telefónica entre o líder russo e o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

O Boeing 777 das linhas aéreas da Malásia foi abatido a 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia perto da linha da frente dos confrontos entre as tropas ucranianas e as forças separatistas pró-russas, com a generalidade da comunidade internacional a atribuir o ataque a membros das forças favoráveis à Rússia.

Moscovo sempre rejeitou qualquer participação no acontecido, que matou 298 pessoas, a maioria das quais cidadãos holandeses, apesar de nunca ter apontado o dedo aos militares ucranianos pró-russos.

"Antes de estabelecer um mecanismo judicial e levar à justiça os responsáveis por este crime, temos que terminar a investigação internacional, que deve ser completa e objetiva, independente e imparcial", disse Putin ao primeiro-ministro holandês, de acordo com o comunicado de imprensa citado pela agência AFP.

A Agência Federal de Aviação russa deve entregar hoje um relatório com as primeiras conclusões do inquérito à queda do avião, depois de, logo a seguir ao acidente, o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter aprovado uma Resolução 2166, que exigia que todos os Estados cooperam plenamente para estabelecer as causas da queda do avião.

A Malásia, a Holanda e outros países têm defendido a ideia de um tribunal especial, sob os auspícios das Nações Unidas, para investigar o sucedido, mas a ideia tem sido rejeitada pela Rússia, que tem lugar permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11