sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Rússia rejeita tribunal especial da ONU sobre queda do voo MH17 na Ucrânia

O Presidente da Rússia considerou hoje que a criação de um tribunal especial nas Nações Unidas para julgar os responsáveis pelos 298 mortos do voo MH17 da Malaysia Airlines abatido sobre a Ucrânia, há um ano, seria "contraproducente".

Julho, 2014

Julho, 2014

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Vladimir Putin explicou em pormenor a posição da Rússia sobre a iniciativa prematura e contraproducente para vários países, incluindo a Holanda, de estabelecer um tribunal para julgar os responsáveis" pela queda do avião, disse o Kremlin através de um comunicado na sequência de uma conversa telefónica entre o líder russo e o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

O Boeing 777 das linhas aéreas da Malásia foi abatido a 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia perto da linha da frente dos confrontos entre as tropas ucranianas e as forças separatistas pró-russas, com a generalidade da comunidade internacional a atribuir o ataque a membros das forças favoráveis à Rússia.

Moscovo sempre rejeitou qualquer participação no acontecido, que matou 298 pessoas, a maioria das quais cidadãos holandeses, apesar de nunca ter apontado o dedo aos militares ucranianos pró-russos.

"Antes de estabelecer um mecanismo judicial e levar à justiça os responsáveis por este crime, temos que terminar a investigação internacional, que deve ser completa e objetiva, independente e imparcial", disse Putin ao primeiro-ministro holandês, de acordo com o comunicado de imprensa citado pela agência AFP.

A Agência Federal de Aviação russa deve entregar hoje um relatório com as primeiras conclusões do inquérito à queda do avião, depois de, logo a seguir ao acidente, o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter aprovado uma Resolução 2166, que exigia que todos os Estados cooperam plenamente para estabelecer as causas da queda do avião.

A Malásia, a Holanda e outros países têm defendido a ideia de um tribunal especial, sob os auspícios das Nações Unidas, para investigar o sucedido, mas a ideia tem sido rejeitada pela Rússia, que tem lugar permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.