sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Quase oito mil mortos na Ucrânia desde abril de 2014

Quase 8.000 pessoas foram mortas desde o início do conflito no leste da Ucrânia, em abril de 2014, segundo um novo balanço hoje divulgado pela ONU.

De acordo com os Estados Unidos, apesar do cessar-fogo estipulado nos acordos de Minsk, a Rússia continua a enviar armamento pesado para o leste da Ucrânia. (Arquivo)

De acordo com os Estados Unidos, apesar do cessar-fogo estipulado nos acordos de Minsk, a Rússia continua a enviar armamento pesado para o leste da Ucrânia. (Arquivo)

© Ints Kalnins / Reuters

No total, 7.962 pessoas morreram e 17.811 ficaram feridas nos combates entre forças governamentais ucranianas e rebeldes separatistas pró-russos, anunciou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos no seu relatório atualizado trimestralmente.

O número de civis mortos aumentou nos últimos três meses devido aos bombardeamentos da linha da frente, sublinha-se no documento.

Entre 16 de maio e 15 de agosto, o número de vítimas duplicou em relação aos três meses precedentes: pelo menos 105 pessoas foram mortas e 308 feridas, ao passo que o balanço era de 60 mortos e 102 feridos entre fevereiro e maio, precisou o Alto Comissariado.

"A retirada das armas pesadas da linha de contacto entre os grupos armados (rebeldes) e as forças governamentais mantém-se parcial", apontam os observadores da ONU.

A maioria das vítimas civis dos bombardeamentos registou-se nos territórios sob controlo dos separatistas, indica o relatório.

A situação continua a ser marcada por confrontos nas zonas de Donetsk e de Lugansk, alimentados pelo "afluxo contínuo de combatentes estrangeiros e de armas sofisticadas e de munições provenientes da Rússia", acrescentam os autores do relatório.

O Alto Comissariado denuncia ainda o facto de a Rússia "ter continuado a enviar colunas de camiões pintados de branco sem o pleno consentimento e a inspeção da Ucrânia e sem que o seu destino exato e o seu conteúdo pudessem ser verificados".

O acesso das organizações humanitárias às regiões de Donetsk e Lugansk tornou-se mais complicado desde junho, na sequência da decisão das autoridades separatistas de introduzir um processo de registo.

"Desde meados de julho, a ajuda humanitária foi gravemente reduzida, porque os grupos armados consideram o registo como um requisito prévio", condena o relatório.

A população que vive perto da zona da frente está a ver a sua situação a deteriorar-se, incluindo o acesso a água e comida. Cerca de três milhões de pessoas vivem nas regiões controladas pelos rebeldes.

O relatório refere ainda casos de sequestros, execuções, tortura, maus-tratos, violência sexual, trabalhos forçados e extorsão nos territórios que estão nas mãos dos separatistas. As autoridades de Kiev também são responsáveis por detenções arbitrárias.

Por último, a ONU denuncia violações dos direitos humanos pelas autoridades russas na Crimeia, península ucraniana que Moscovo anexou em março de 2014, para impedir os opositores de falarem, nomeadamente as organizações da minoria tártara.

Lusa

  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.