sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

PM ucraniano diz que abate do MH17 foi "operação dos serviços secretos russos"

O primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk, afirmou hoje que o abate do voo MH17 por um míssil russo sobre o leste da Ucrânia em julho de 2014 foi uma "operação dos serviços secretos russos".

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Pessoalmente não tenho nenhuma dúvida de que foi uma operação planeada pelos serviços secretos russos para abater um avião civil", disse o primeiro-ministro, na abertura do Conselho de Ministros em Kiev.

A queda do avião da Malaysia Airlines, que provocou a morte a todas as 298 pessoas que seguiam a bordo, é atribuída pela Rússia às forças ucranianas que combatem os separatistas pró-russos no leste do país e pelos aliados ocidentais de Kiev às forças separatistas e ao apoio militar que lhe é dado pela Rússia.

"Temos a certeza de que (a operação) foi feita a partir de território que estava sob controlo exclusivo de combatentes russos", disse Iatseniuk.

"E também não há dúvida de que separatistas bêbados não sabem usar estes sistemas BUK", prosseguiu o primeiro-ministro, referindo-se ao tipo de míssil que os investigadores identificaram como tendo atingido o avião. "O que isto significa é que estes sistemas só são operados por militares russos treinados" para o fazer, acrescentou.

O Departamento de Segurança da Holanda, país de onde era natural a maioria das vítimas, deve apresentar hoje o relatório final sobre a investigação ao acidente. Segundo o jornal holandês Volkskrant, o relatório concluiu que o aparelho foi atingido por um míssil BUK, de fabrico russo.

O relatório não visa no entanto apontar responsabilidades, mas apenas pormenores do acidente, pelo que o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, pediu ao primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, que promova um inquérito penal para permitir a identificação e julgamento dos responsáveis.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.