sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

UE pede que responsáveis pela queda do MH17 sejam levados à justiça

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, pediu hoje que os responsáveis diretos e indiretos pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines sejam levados à justiça, instando os países "que possam ajudar" a prestarem uma total colaboração.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

A Alta Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança recordou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas defendeu que os responsáveis "diretos ou indiretos" pela queda do voo MH17 em julho de 2014 quando sobrevoava o leste da Ucrânia têm de responder pelos seus atos e ser presentes à justiça.

"Nesse sentido, foi iniciada uma investigação criminal por uma equipa de investigação conjunta", acrescentou Federica Mogherini, que também é vice-presidente da Comissão Europeia (CE).

"Os Estados que estão em posição de ajudar na investigação e na acusação dos responsáveis devem colaborar totalmente com a investigação criminal em curso", referiu a chefe da diplomacia europeia, sem mencionar um país específico.

Num relatório hoje divulgado, a investigação do Departamento de Segurança da Holanda concluiu que o avião Boeing 777 da Malaysia Airlines, que fazia o voo MH17 entre Amesterdão e Kuala Lumpur, foi abatido, quando sobrevoava o leste da Ucrânia a 17 de julho de 2014, por um míssil terra-ar BUK, de fabrico russo, que atingiu o aparelho do lado esquerdo do 'cockpit'.

Os investigadores não conseguiram determinar o local exato do lançamento do míssil, tendo identificado apenas uma área de 320 quilómetros quadrados no leste da Ucrânia, controlada pelos separatistas pró-russos.

A investigação à queda do voo da Malaysia Airlines, na qual morreram todas as 298 pessoas que seguiam a bordo (193 eram holandeses), concluiu por outro lado que, após a explosão, "a parte da frente do avião foi arrancada e o avião partiu-se no ar".

Federica Mogherini reiterou ainda o "apoio total" da UE à equipa de investigação e a todos os esforços em curso para estabelecer um "mecanismo efetivo processual", com o objetivo de "assegurar que os autores pela queda do voo MH17 sejam identificados e levados à justiça".

A Alta Representante assinalou também que o relatório hoje divulgado pelas autoridades holandesas é um "passo importante" para esclarecer os factos, concluindo que as famílias e os amigos das vítimas "têm o direito de conhecer os factos por detrás da tragédia".

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, também reagiu à publicação do relatório, corroborando a posição da chefe da diplomacia europeia: "Aqueles que direta ou indiretamente são responsáveis pela queda do MH17 devem prestar contas e ser levados à justiça o mais breve possível".

O representante máximo da Aliança Atlântica saudou ainda o trabalho do Departamento de Segurança da Holanda e elogiou o organismo por ter realizado uma investigação "independente, neutral e aberta".

Lusa

  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Pescador resgatado de um lago gelado na Estónia
    1:08
  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.