sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

UE pede que responsáveis pela queda do MH17 sejam levados à justiça

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, pediu hoje que os responsáveis diretos e indiretos pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines sejam levados à justiça, instando os países "que possam ajudar" a prestarem uma total colaboração.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

A Alta Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança recordou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas defendeu que os responsáveis "diretos ou indiretos" pela queda do voo MH17 em julho de 2014 quando sobrevoava o leste da Ucrânia têm de responder pelos seus atos e ser presentes à justiça.

"Nesse sentido, foi iniciada uma investigação criminal por uma equipa de investigação conjunta", acrescentou Federica Mogherini, que também é vice-presidente da Comissão Europeia (CE).

"Os Estados que estão em posição de ajudar na investigação e na acusação dos responsáveis devem colaborar totalmente com a investigação criminal em curso", referiu a chefe da diplomacia europeia, sem mencionar um país específico.

Num relatório hoje divulgado, a investigação do Departamento de Segurança da Holanda concluiu que o avião Boeing 777 da Malaysia Airlines, que fazia o voo MH17 entre Amesterdão e Kuala Lumpur, foi abatido, quando sobrevoava o leste da Ucrânia a 17 de julho de 2014, por um míssil terra-ar BUK, de fabrico russo, que atingiu o aparelho do lado esquerdo do 'cockpit'.

Os investigadores não conseguiram determinar o local exato do lançamento do míssil, tendo identificado apenas uma área de 320 quilómetros quadrados no leste da Ucrânia, controlada pelos separatistas pró-russos.

A investigação à queda do voo da Malaysia Airlines, na qual morreram todas as 298 pessoas que seguiam a bordo (193 eram holandeses), concluiu por outro lado que, após a explosão, "a parte da frente do avião foi arrancada e o avião partiu-se no ar".

Federica Mogherini reiterou ainda o "apoio total" da UE à equipa de investigação e a todos os esforços em curso para estabelecer um "mecanismo efetivo processual", com o objetivo de "assegurar que os autores pela queda do voo MH17 sejam identificados e levados à justiça".

A Alta Representante assinalou também que o relatório hoje divulgado pelas autoridades holandesas é um "passo importante" para esclarecer os factos, concluindo que as famílias e os amigos das vítimas "têm o direito de conhecer os factos por detrás da tragédia".

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, também reagiu à publicação do relatório, corroborando a posição da chefe da diplomacia europeia: "Aqueles que direta ou indiretamente são responsáveis pela queda do MH17 devem prestar contas e ser levados à justiça o mais breve possível".

O representante máximo da Aliança Atlântica saudou ainda o trabalho do Departamento de Segurança da Holanda e elogiou o organismo por ter realizado uma investigação "independente, neutral e aberta".

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.