sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Rússia diz-se desiludida com investigação à queda do voo MH17

A diplomacia russa manifestou-se, esta quarta-feira, "desiludida" com o relatório "parcial e politicamente motivado" que concluiu que o voo MH17 da Malaysia Airlines foi abatido por um míssil levado da Rússia para o leste da Ucrânia.

"A Rússia está desiludida com o facto de a investigação da catástrofe do Boeing não mudar. As conclusões confirmam que a investigação é parcial e politicamente motivada", afirmou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, num comunicado.

O texto acusa a Equipa de Investigação Conjunta, uma equipa internacional liderada pela Holanda, de integrar peritos da Ucrânia, parte interessada no desastre, e de ignorar as informações prestadas pela Rússia, que acusou Kiev de abater o avião de passageiros.

Wilbert Paulissen, chefe da equipa de investigadores, apresentou hoje de manhã as conclusões da investigação, entre as quais a de que "o voo MH17 foi abatido por um míssil BUK, da série 9M83, proveniente do território da Federação Russa".

O avião de passageiros, um Boeing 777, foi abatido a 17 de julho de 2014 sobre o leste da Ucrânia, numa zona sob controlo dos separatistas pró-russos, matando todas as 198 pessoas que seguiam a bordo, entre as quais havia 196 cidadãos holandeses.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.