sicnot

Perfil

Violência doméstica

Algarve vai ter primeira casa abrigo para homens vítimas de violência doméstica

O Algarve vai ter a primeira casa para homens vítimas de violência doméstica do país, com dez vagas e que começa a funcionar na próxima sexta-feira, ao abrigo de um projeto-piloto apresentado esta quarta-feira em Faro.

"É um projeto-piloto da primeira casa abrigo para homens vítimas de violência doméstica com 10 lugares, com acompanhamento jurídico, psicológico, enquadramento de apoio social", disse o ministro-adjunto, Eduardo Cabrita, que hoje esteve em Faro, na cerimónia de assinatura da carta de compromisso entre a Fundação António Silva Leal e o Governo.

De acordo com Eduardo Cabrita, segundo o último relatório anual de segurança interna, 15% dos casos reportados de violência doméstica têm por vítimas homens, que estão em "situação de fragilidade, desestruturação pessoal ou familiar", o que representa "alguns milhares de pessoas", a nível nacional e "centenas", no Algarve.

"Faro é o terceiro distrito a nível nacional com maior número de casos reportados", após os distritos de Lisboa e Porto, referiu o governante, sublinhando que a nova casa abrigo pode acolher homens de todas as zonas do país, até porque nos casos de violência doméstica uma dos procedimentos é que o acolhimento seja feito fora da zona de residência.

Portugal dispõe, atualmente, de uma rede de 40 casas abrigo, com capacidade total para acolher 800 mulheres vítimas de violência doméstica, acrescentou.

De acordo com Carlos Andrade, presidente da Fundação António Silva Leal, o que é inovador neste projeto é, justamente, o facto de a casa abrigo se dirigir aos homens, porque a forma de acolher "é exatamente a mesma" do que já se faz com as mulheres.

"Após acolhimento, apoiamos do ponto de vista psicológico, social, do ponto de vista da saúde e ajudamos num projeto de vida, que é exatamente o que fazemos com as mulheres", referiu.

De acordo com aquele responsável, a experiência de 13 anos da fundação que dirige, permitiu-lhe contactar com casos de homens que são vítimas de violência doméstica, o que levou à ideia da criação de uma casa abrigo.

"Nós conhecemos casos em que as pessoas, homens, ficaram em grande angústia e grande sofrimento e que, tal como as mulheres, sentem-se aprisionados num processo em que precisam de criar condições para sair", sublinhou.

Na cerimónia, realizada no salão do antigo Governo Civil de Faro, esteve também presente a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41