sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Portugal regista seis casos de infeção por vírus Zika

Portugal registou até ao momento seis casos de infeção por vírus Zika, todos eles importados, com as autoridades de saúde a apelarem à tranquilidade, mas já desaconselharam viagens de grávidas para zonas de risco.

Portugal tem seis casos infeção por vírus Zika

Portugal tem seis casos infeção por vírus Zika

© Carlos Jasso / Reuters


Dos seis casos notificados em Portugal, cinco deles foram importados do Brasil e o sexto da Colômbia, países onde o vírus se tem propagado, levando a que as viagens para estas zonas constituam a principal forma de contrair uma eventual infeção -- que ocorre por picada de mosquitos infetados.

Aliás, a Direção-geral de Saúde (DGS) já desaconselhou as mulheres em idade fértil que querem engravidar ou as grávidas a viajarem para os países onde o vírus Zika tem expressão epidémica.

"Foi emitida recomendação para as portuguesas em idade fértil, que queiram engravidar, e em particular as grávidas. Nós aconselhamos que não se desloquem neste momento a um país onde o problema Zika tem esta expressão epidémica", disse o diretor-geral da Saúde numa conferência de imprensa no final do mês passado.

Segundo a DGS, o risco só existe em áreas onde a propagação se está a verificar de "uma forma crescente e, tudo indica, de forma descontrolada", referindo-se a países da América do Sul, Caraíbas e África.

Também o ministro da Saúde veio garantir que os portugueses podem estar tranquilos com o vírus Zika, uma vez que a situação está controlada e o risco é confinado.

"Está a fazer-se o acompanhamento dos casos que recebemos através de viajantes mas não há nenhuma preocupação a assinalar. Os portugueses podem estar tranquilos", declarou já o ministro Adalberto Campos Fernandes.

Quanto à situação dos dadores de sangue em Portugal, as autoridades garantem que os dadores estão a ser devidamente rastreados para que as dádivas sejam seguras.

Com o risco de novas infeções pelo vírus Zika em vários países, a Organização Mundial de Saúde reconheceu ser adequado restringir as doações de sangue de viajantes oriundos de países de risco, de modo a evitar uma eventual propagação do vírus.

Em Portugal, o Instituto do Sangue e da Transplantação garantiu que estão a ser tomadas todas as medidas de precaução necessárias para que as dádivas de sangue sejam seguras, tendo sido realizado um alerta de prevenção em janeiro.

O alerta foi emitido devido à "agressividade imensa da epidemia pelo vírus Zika" e para que todos os profissionais de saúde que fazem a recolha de sangue em Portugal estejam cientes das normas que devem seguir.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.