sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Portugal regista seis casos de infeção por vírus Zika

Portugal registou até ao momento seis casos de infeção por vírus Zika, todos eles importados, com as autoridades de saúde a apelarem à tranquilidade, mas já desaconselharam viagens de grávidas para zonas de risco.

Portugal tem seis casos infeção por vírus Zika

Portugal tem seis casos infeção por vírus Zika

© Carlos Jasso / Reuters


Dos seis casos notificados em Portugal, cinco deles foram importados do Brasil e o sexto da Colômbia, países onde o vírus se tem propagado, levando a que as viagens para estas zonas constituam a principal forma de contrair uma eventual infeção -- que ocorre por picada de mosquitos infetados.

Aliás, a Direção-geral de Saúde (DGS) já desaconselhou as mulheres em idade fértil que querem engravidar ou as grávidas a viajarem para os países onde o vírus Zika tem expressão epidémica.

"Foi emitida recomendação para as portuguesas em idade fértil, que queiram engravidar, e em particular as grávidas. Nós aconselhamos que não se desloquem neste momento a um país onde o problema Zika tem esta expressão epidémica", disse o diretor-geral da Saúde numa conferência de imprensa no final do mês passado.

Segundo a DGS, o risco só existe em áreas onde a propagação se está a verificar de "uma forma crescente e, tudo indica, de forma descontrolada", referindo-se a países da América do Sul, Caraíbas e África.

Também o ministro da Saúde veio garantir que os portugueses podem estar tranquilos com o vírus Zika, uma vez que a situação está controlada e o risco é confinado.

"Está a fazer-se o acompanhamento dos casos que recebemos através de viajantes mas não há nenhuma preocupação a assinalar. Os portugueses podem estar tranquilos", declarou já o ministro Adalberto Campos Fernandes.

Quanto à situação dos dadores de sangue em Portugal, as autoridades garantem que os dadores estão a ser devidamente rastreados para que as dádivas sejam seguras.

Com o risco de novas infeções pelo vírus Zika em vários países, a Organização Mundial de Saúde reconheceu ser adequado restringir as doações de sangue de viajantes oriundos de países de risco, de modo a evitar uma eventual propagação do vírus.

Em Portugal, o Instituto do Sangue e da Transplantação garantiu que estão a ser tomadas todas as medidas de precaução necessárias para que as dádivas de sangue sejam seguras, tendo sido realizado um alerta de prevenção em janeiro.

O alerta foi emitido devido à "agressividade imensa da epidemia pelo vírus Zika" e para que todos os profissionais de saúde que fazem a recolha de sangue em Portugal estejam cientes das normas que devem seguir.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.