sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

DGS aconselha uso de preservativo como medida preventiva do Zika

A Direção-Geral de Saúde (DGS) acrescentou às medidas de prevenção contra o vírus Zika a utilização de preservativo em relações sexuais, durante seis meses no caso de homens infetados ou durante 28 dias caso não existam sintomas.

A Direção-Geral de Saúde aconselha a utilização de vestuário adequado para diminuir a exposição corporal à picada, o alojamento com ar condicionado, a utilização de redes mosquiteiras, a utilização de preservativo em relações sexuais e seguir as recomendações das autoridades locais do país.

A Direção-Geral de Saúde aconselha a utilização de vestuário adequado para diminuir a exposição corporal à picada, o alojamento com ar condicionado, a utilização de redes mosquiteiras, a utilização de preservativo em relações sexuais e seguir as recomendações das autoridades locais do país.

© Ina Fassbender / Reuters

"Os cidadãos que se deslocam para áreas afetadas devem adotar medidas de proteção sexual, nomeadamente o uso do preservativo", lê-se numa atualização do boletim de orientação da DGS para o vírus Zika, originalmente divulgado a 15 de janeiro e atualizado na segunda-feira, que está disponível na página da internet daquela entidade.

No caso de um homem que regresse "de área afetada", caso este apresente sintomas deve, além de "realizar tratamento sintomático", "utilizar preservativo nas relações sexuais durante seis meses, à luz do princípio da precaução e segundo os conhecimentos atualizados". Caso não apresente sintomas, deve "utilizar preservativo nas relações sexuais durante 28 dias".

Segundo a DGS, a principal medida de prevenção é "a proteção contra a picada de mosquito". Nomeadamente, "utilizar vestuário adequado para diminuir a exposição corporal à picada", "optar preferencialmente por alojamento com ar condicionado", "utilizar redes mosquiteiras", "ter especial atenção aos períodos do dia em que os mosquitos do género 'Aedes' picam mais frequentemente (a meio da manhã e desde o entardecer ao por do sol)", e "aplicar repelentes observando as instruções do fabricante".

Aos cidadãos que se desloquem aos países afetados com o vírus, como o Brasil e a Colômbia, a DGS aconselha: "antes do início da viagem devem procurar aconselhamento em Consulta do Viajante"; "as grávidas não devem deslocar-se, neste momento, para zonas afetadas"; "as pessoas imunocomprometidas ou com doenças crónicas graves devem obter aconselhamento junto do seu médico antes de planear uma viagem a uma área afetada"; "no país de destino seguir as recomendações das autoridades locais".

A DGS aconselha aos cidadãos "provenientes de uma área afetada" e que apresentem, "até 28 dias após a data de regresso, sintomatologia sugestiva de infeção por vírus Zika" que contactem a linha Saúde 24 (808 24 24 24).

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.