sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Zika é "problema Mundial", mas no Brasil estará "sob controlo"

O presidente do Comité Organizador dos Jogos Olímpicos Rio2016, Carlos Nuzman, reconheceu hoje que o vírus Zika é um "problema mundial", mas disse que o Brasil tomou as medidas necessárias e que a situação está "sob controlo".

"O Zika é um problema mundial, mesmo que tenha sido detetado pela primeira vez em 1940. O Brasil tomou medidas. O Comité Olímpico Internacional (COI) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) asseguraram que o tema é uma prioridade, mas reiteram que tudo está sob controlo", disse, em Londres.

O responsável, que falava durante uma sessão informativa sobre os Jogos, que decorrem de 05 a 21 de agosto, no Rio de Janeiro, revelou que houve uma reunião entre a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, da qual saiu a ideia de que tudo deveria ser feito para se "minimizar o risco de contacto".

Nuzman confirmou que a organização não vai pagar aos atletas qualquer sistema antimosquito, mas que vai instalar ar condicionado em todas as habitações do parque olímpico, "pois é mais eficiente".

"Oferecemo-nos para pagar o ar condicionado. Com isso não serão necessárias mosquiteiras, já que se pode controlar a temperatura dos quartos. É mais eficiente do que uma rede", vincou.

Num outro âmbito, o COI revelou na quarta-feira a criação de uma equipa de desportistas refugiados, iniciativa que o comité organizador se revela "totalmente a favor".

"Falámos com eles e estamos totalmente a favor da iniciativa. O COI decidirá quantos competem, mas devem saber que as nossas portas estão abertas. Será um contributo muito positivo", considerou.

O responsável destacou ainda o "legado" que os Jogos Olímpicos deixarão ao país, bem como a toda a América Latina, região onde o evento nunca se celebrou, garantindo que, no fim, "não haverá elefantes brancos", aludindo a infraestruturas desaproveitadas posteriormente ao evento.

Revelou-se ainda despreocupado com o facto de apenas metade dos bilhetes terem sido vendidos -- "os brasileiros adoram comprar os ingressos apenas à última hora" --, confiando que a competição vai ficar lotada, dando o exemplo do que aconteceu com o Mundial2014 de futebol no país.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.