sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Cientistas apresentam hipótese de como o vírus Zika poderá provocar microcefalia

Cientistas da Universidade da Califórnia apresentam hoje uma hipótese que poderá explicar como o vírus do Zika provoca microcefalia, o que poderá dever-se à sua capacidade de sequestrar uma proteína na superfície das células estaminais neurais.

© Nacho Doce / Reuters

Num estudo publicado na revista científica Cell Stem Cell, os investigadores mostram que o vírus do Zika consegue apropriar-se do recetor superficial AXL, normalmente envolvido na divisão celular, e usá-lo como porta de entrada para a infeção.

O AXL é muito abundante na superfície das células estaminais neurais, mas não nos neurónios no cérebro em desenvolvimento e as células estaminais neurais que expressam o AXL só estão presentes no segundo trimestre de gravidez.

"Embora não seja de todo uma explicação total, acreditamos que a expressão do AXL por este tipo de células é uma pista importante para explicar como o vírus do Zika consegue produzir casos tão devastadores de microcefalia, e coincide com a evidência já disponível", disse o autor sénior do estudo, Arnold Kriegstein, diretor do Centro Eli e Edythe de Medicina Regenerativa e Investigação em Células Estaminais.

Segundo o investigador, o AXL "não é o único recetor que foi associado à infeção por Zika, por isso será necessário ultrapassar a fase da 'culpa por associação' e demonstrar que bloquear este recetor específico pode prevenir a infeção".

Até ser confirmado que o Zika usa o AXL para entrar nas células estaminais neurais, a equipa de Kriegstein quer estudar se o recetor poderia ser explorado com fins terapêuticos.

Como a proteína é importante na proliferação das células estaminais neurais, é pouco provável que o bloqueio do AXL seja uma opção no cérebro do feto, mas os investigadores admitem que haja uma forma de tratar mulheres em risco de infeção com um inibidor de AXL que impeça o vírus do Zika de entrar no feto em desenvolvimento.

Embora existam provas cada vez mais conclusivas de que o Zika provoca malformações fetais, a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda não deu a associação como provada.

Um surto de Zika afeta atualmente a América do Sul, e o Brasil, o país mais afetado pelo surto de Zika, já registou mais de um milhão e meio de casos.

Na quarta-feira passada, o Brasil confirmou 907 casos de microcefalia e 198 de bebés que morreram devido a este problema congénito desde o início do surto.

As autoridades estão ainda a investigar se a malformação afeta outros 4.293 bebés com sintomas parecidos.

O vírus é transmitido aos seres humanos pela picada do mosquito Aedes aegypti, que existe em 130 países, e na maioria dos casos provoca apenas sintomas gripais benignos, ou não provoca sintomas de todo.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.