sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Investigadores brasileiros encontram o vírus Zika em macacos no Ceará

Investigadores da Universidade de São Paulo (USP) encontraram macacos infetados com o vírus Zika no estado brasileiro de Ceará, sendo esta a primeira vez que isso ocorre fora de África, divulgou hoje a imprensa brasileira.

© Jaime Saldarriaga / Reuters

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a descoberta no Brasil indica que, por ser capaz de contaminar outros hospedeiros além dos humanos, o vírus espalha-se com mais facilidade e pode ser mais difícil de ser contido do que os especialistas imaginavam.

"É um achado que nos deixou muito preocupados porque mostra que o Zika veio para ficar. Assim como no caso da febre-amarela, o vírus Zika tem um ciclo não só em humanos, mas também em animais silvestres, que podem tornar-se um reservatório", disse Edison Luiz Durigon, professor titular do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP e um dos coordenadores do estudo.

"É por isso que, no caso da febre-amarela, mesmo com a vacina, nunca conseguimos erradicar o vírus, porque ele continua a circular entre os primatas. Isso não acontece com a febre dengue, por exemplo", adiantou o investigador.

Os macacos infetados pelo Zika foram encontrados em diferentes regiões do estado de Ceará entre os meses de julho e novembro do ano passado.

A descoberta foi feita quando cientistas do ICB-USP e do Instituto Pasteur estavam a capturar saguis e macacos-prego para um estudo sobre a raiva.

"Resolvemos testá-los também para o Zika e, para nossa surpresa, 29% das amostras deram positivas, todas elas de macacos capturados em áreas onde há notificação de Zika e ocorrência de microcefalia", disse Edison Luiz Durigon, um dos membros da Rede Zika, grupo de trabalho de de cientistas de São Paulo criado em 2015, com auxílio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), para estudar o vírus.

O resultado encontrado pelos investigadores brasileiros pode apontar para um dos motivos de o vírus Zika se ter espalhado tão rapidamente nas Américas.

Em menos de dois anos, a doença já foi identificada em 35 países do continente, enquanto a dengue levou décadas para se espalhar na mesma amplitude geográfica.

Os resultados preliminares da investigação foram publicados na revista especializada BioRxiv.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.