sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Investigadores brasileiros encontram o vírus Zika em macacos no Ceará

Investigadores da Universidade de São Paulo (USP) encontraram macacos infetados com o vírus Zika no estado brasileiro de Ceará, sendo esta a primeira vez que isso ocorre fora de África, divulgou hoje a imprensa brasileira.

© Jaime Saldarriaga / Reuters

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a descoberta no Brasil indica que, por ser capaz de contaminar outros hospedeiros além dos humanos, o vírus espalha-se com mais facilidade e pode ser mais difícil de ser contido do que os especialistas imaginavam.

"É um achado que nos deixou muito preocupados porque mostra que o Zika veio para ficar. Assim como no caso da febre-amarela, o vírus Zika tem um ciclo não só em humanos, mas também em animais silvestres, que podem tornar-se um reservatório", disse Edison Luiz Durigon, professor titular do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP e um dos coordenadores do estudo.

"É por isso que, no caso da febre-amarela, mesmo com a vacina, nunca conseguimos erradicar o vírus, porque ele continua a circular entre os primatas. Isso não acontece com a febre dengue, por exemplo", adiantou o investigador.

Os macacos infetados pelo Zika foram encontrados em diferentes regiões do estado de Ceará entre os meses de julho e novembro do ano passado.

A descoberta foi feita quando cientistas do ICB-USP e do Instituto Pasteur estavam a capturar saguis e macacos-prego para um estudo sobre a raiva.

"Resolvemos testá-los também para o Zika e, para nossa surpresa, 29% das amostras deram positivas, todas elas de macacos capturados em áreas onde há notificação de Zika e ocorrência de microcefalia", disse Edison Luiz Durigon, um dos membros da Rede Zika, grupo de trabalho de de cientistas de São Paulo criado em 2015, com auxílio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), para estudar o vírus.

O resultado encontrado pelos investigadores brasileiros pode apontar para um dos motivos de o vírus Zika se ter espalhado tão rapidamente nas Américas.

Em menos de dois anos, a doença já foi identificada em 35 países do continente, enquanto a dengue levou décadas para se espalhar na mesma amplitude geográfica.

Os resultados preliminares da investigação foram publicados na revista especializada BioRxiv.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.