sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

OMS alerta que o vírus Zika pode expandir-se e chegou para ficar

Um ano após a primeira confirmação da presença do vírus Zika no Brasil, a Organização Mundial de Saúde (OMS) teme que a doença, agora considerada grave, venha a expandir-se para outras regiões e esteja para ficar.

CHRISTIAN BRUNA

Num longo artigo publicado a propósito do primeiro aniversário da confirmação laboratorial do aparecimento do Zika no Brasil, que se assinala no sábado, a OMS faz o historial do vírus desde que foi inicialmente identificado, em 1947, até ao presente, transfigurando-se no último ano de uma "doença obscura" numa "ameaça sanitária global".

Para a OMS, a grande questão hoje é se as populações da África e da Ásia onde o Zika já circula há anos estão imunes ao vírus que está na origem da epidemia atualmente ativa na América do Sul.

A densidade de populações de pessoas e mosquitos nas cidades da Ásia e da África tropical, assim como as suas frágeis infraestruturas, podem facilitar a propagação da epidemia se não se confirmar que existe alguma imunidade.

Alguns especialistas acreditam que a infeção anterior com uma linhagem do vírus poderá fornecer pelo menos alguma proteção contra a infeção por outra linhagem, mas na verdade "ninguém tem a certeza", escrevem os autores do texto da OMS.

Esta questão é particularmente relevante num mundo onde mais de metade da população vive em regiões infestadas pelo Aedes aegypti, o mosquito que transmite o Zika.

Os especialistas que aconselham a OMS e têm acompanhado o reaparecimento do dengue e a recente transformação do chikungunya numa ameaça internacional "são relutantes em emitir conselhos tranquilizadores sobre a possibilidade de as estirpes epidémicas do Zika se espalharem para além das Américas", pode ler-se no texto.

O caso do dengue mostra que "é pouco provável que o Zika simplesmente se extinga e desapareça", escrevem ainda os autores, lembrando que os flavivírus, a que pertence o Zika, estão bem equipados para se adaptarem às pressões ecológicas e para explorarem oportunidades de se expandirem".

As recentes descobertas sobre o vírus nas Américas não são encorajadoras, acrescenta ainda o texto da OMS, lembrando que em abril investigadores no Equador e no nordeste do Brasil detetaram Zika em macacos, o que sugere um novo ciclo de transmissão da doença que pode ajudar o vírus a persistir.

No mesmo mês, cientistas num laboratório no México detetaram o vírus do Zika numa fêmea do mosquito Aedes albopictus, uma espécie invasiva que continua a expandir-se geograficamente e já se adaptou a uma série de habitats próximos dos humanos.

Como este mosquito sobrevive ao inverno nos climas temperados, a sua capacidade de levar o Zika para outras regiões aumenta significativamente o risco de transmissão do vírus.

O mais provável, escreve a OMS, "é que o Zika, agora reclassificado como doença grave, esteja em expansão e tenha poder para ficar".

Entre 01 de janeiro de 2007 e 13 de abril de 2016, a transmissão do vírus do Zika foi documentada em 64 países e territórios, sendo que 42 deles têm estão a viver desde 2015 um primeiro surto da doença, sem evidências anteriores de circulação do vírus e com transmissão contínua através de mosquitos.

O vírus do Zika, transmitido pelo mosquito 'Aedes aegypti', provoca sintomas gripais benignos, mas está também associado a microcefalia, doença em que os bebés nascem com o crânio anormalmente pequeno e défice intelectual, assim como ao síndroma de Guillain-Barré, uma doença neurológica grave.

O Brasil, o país mais afetado pelo surto de Zika, já registou mais de um milhão e meio de casos.

Lusa

  • Vírus do Zika é mais perigoso do que se pensa
    1:25

    Vírus Zika

    Os investigadores chegaram à conclusão que o vírus Zika é mais perigoso do que se pensa. Para além da microcefalia, a infeção poderá provocar outros danos neurológicos e numa maior percentagem de bebés. O Ministério da Saúde do Brasil já confirmou 1200 casos de microcefalia e está a investigar perto de 4 mil casos.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • Chegaram os brinquedos de cartão para a consola
    6:24
  • O 10 de julho de 1941 na escrita de João Pinto Coelho
    15:09
  • Governo promete melhorar condições de 26 mil famílias
    1:23

    País

    O ministro do Ambiente explicou esta terça-feira, no Parlamento, as novas medidas para a habitação: reduzir os impostos para arrendamentos longos, melhorar as condições de 26 mil famílias e introduzir o arrendamento vitalício para maiores de 65 anos. Este é um investimento que vai chegar aos 1700 milhões de euros.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31
  • Peixe-galo e batatas rosti, qual o cardápio do encontro entre os líderes das Coreias?

    Mundo

    O menu do encontro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, já foi dado a conhecer esta terça-feira. Através do site oficial do Governo, Seul anunciou um cardápio com vários pratos típicos da Península da Coreia, como dumplings ao vapor, arroz cultivado na Coreia, carne grelhada, salada fria com polvo, peixe-galo, batatas rosti e sopa fria.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17