sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Medicamento anti-malária resulta contra vírus zika, segundo estudo brasileiro

Um medicamento anti-malária pode ser eficaz para blindar o cérebro de fetos contra a infeção pelo vírus zika, segundo os resultados de um estudo brasileiro divulgado hoje.

© Nacho Doce / Reuters

O trabalho de investigadores dos Institutos de Biologia e de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto D'Or de Pesquisa mostrou que o medicamento protegeu neurosferas, estruturas celulares que reproduzem até 95 por cento o cérebro em formação.

"Os nossos resultados sugerem que a ação da cloroquina contra o zika deve ser imediatamente avaliada in vivo e, se tudo der certo, vai atenuar os danos cerebrais devastadores da síndrome congénita do zika e as lesões neurológicas em adultos", lê-se no artigo publicado na bioRxiv - rede pública de partilha de estudos científicos inéditos.

O diretor do Instituto de Biologia da UFRJ, Rodrigo Brindeiro, citado pelo jornal Estado de São Paulo, destacou que "a grande vantagem nessa corrida contra o vírus é que a cloroquina já é uma droga amplamente usada e não é contraindicada para grávidas".

"A ideia é que a pessoa comece a tomar antes de engravidar como forma de proteger o feto desde o primeiro dia", afirmou.

Segundo o investigador, ainda é preciso fazer testes com animais e humanos e também testar a cloroquina sem minicérebros, estruturas celulares mais complexas do que as neurosferas, que simulam cérebros de fetos de três meses.

Os pesquisadores do Instituto de Biologia da UFRJ também estudam casos em que o vírus é reativado no paciente, após alguns meses.

"Quero alertar para isso porque tem a ver com o agravamento do quadro clínico associado ao zika do ponto de vista neurológico", disse.

No segundo aparecimento dos sintomas, os pacientes têm dor articular mais forte, o que faz com que o diagnóstico se confunda com chikungunya.

"É difícil acreditar em reinfecção porque o vírus é, ao contrário do da dengue, extremamente monótono, e os anticorpos já deveriam estar protegendo a pessoa contra uma nova infeção. Acreditamos que é uma reativação do vírus", adiantou.

Entretanto, o diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Reginaldo Prata, citado pela Agência Câmara Notícias, disse, quinta-feira, que o Brasil deverá ter uma vacina contra o vírus da zika daqui a cinco anos.

Para isso, a pasta tem apoiado o Instituto Butantan e a unidade Bio-manguinhos da Fiocruz no desenvolvimento do medicamento.

O Brasil registou 91.387 casos prováveis de zika em 2016, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados a 26 de abril.

Até 30 de abril, foram confirmados 1.271 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infeção congénita, no Brasil.

Desde 2007 que a infeção com o vírus zika já foi registada em 39 países do mundo.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.