sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Cabo Verde é o primeiro país africano a registar casos de Zika

A Organização Mundial de Saúde (OMS) confirma que Cabo Verde é o primeiro país africano a registar casos de vírus Zika e que é da mesma estirpe do que está a infetar pessoas na América.

reuters

Segundo a OMS, há 7500 caos suspeitos de infeção por vírus Zika e três bebés nasceram com microcefalia - doença em que as crianças nascem com cérebro e crâneo pequenos.

O facto de o vírus ser da mesma estirpe daquele que está ativo no continente americano "é muito preocupante já que mostra que a epidemia está a alastrar além da América do Sul e está à porta de África, diz a agência da ONU.

A designada estirpe asiática do vírus infetou cerca de 1,5 milhões de pessoas só no Brasil e foi detetado em Cabo Verde através do sequenciamento dos casos de Zika neste país.

"É o mesmo material genético do vírus no Brasil", disse a porta-voz da OMS Marsha Vanderford à agência France Presse.

Até 08 de maio tinham sido registados em Cabo Verde 7.557 casos suspeitos de Zika, assim como três casos de microcefalia, disse a OMS.

Segundo Moeti, "a descoberta é motivo de preocupação porque é mais uma prova de que o surto se está a espalhar para além da América do Sul e está à porta de África".

"Esta informação ajudará os países africanos a reavaliarem o seu nível de risco e a adaptarem e reforçarem os seus níveis de preparação", adiantou.

A OMS crê que a estirpe asiática do Zika chegou a Cabo Verde através de alguém que veio do Brasil, antes de começar a espalhar-se localmente.

A estirpe africana do vírus, com o nome da floresta tropical Zika no Uganda, onde foi descoberto pela primeira vez em 1947, está espalhada no continente há décadas.

Até recentemente, o Zika causava pouca preocupação dado vulgarmente provocar apenas sintomas leves semelhantes aos da gripe e os africanos em geral adquiriram imunidade em relação à estirpe do continente.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.