sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Risco de microcefalia em fetos varia entre 1 e 13%

Um feto infetado com o vírus Zika corre um risco de desenvolver microcefalia entre 1 e 13% durante o primeiro trimestre de gravidez, segundo um estudo publicado na quarta-feira na revista New England Journal of Medicine.

Arquivo

Arquivo

© Paulo Whitaker / Reuters

Os investigadores dos centros norte-americanos de controlo de doenças chegaram a esta estimativa criando um modelo matemático baseado em estatísticas de infeções por vírus Zika e de casos de microcefalia na Polinésia francesa, que sofreu um surto em 2013, bem como no estado da Baía no Brasil.

O Brasil foi duramente atingido por uma epidemia de Zika, acompanhada de um aumento do número de casos de microcefalia.

Esta malformação congénita irreversível, habitualmente rara, traduz-se em bebés que nascem com o crânio anormalmente pequeno e apresentam um desenvolvimento cerebral incompleto.

Normalmente, a microcefalia é rara, verificando-se em 0,02 a 0,12% dos nascimentos nos Estados Unidos.

A frequência de outras malformações de nascença mais habituais, como a trissomia 21, é inferior a 1%.

Esta é a primeira estimativa de risco de microcefalia em fetos de mulheres que foram infetadas durante a atual epidemia.

Os investigadores dos centros de controlo de doenças e da Universidade de Harvard determinaram que há uma relação muito forte de causa-efeito entre uma infeção pelo vírus Zika durante o primeiro trimestre da gravidez e o risco de microcefalia no feto, que se torna irrelevante no segundo e terceiro trimestres de gestação.

O Brasil, onde o Zika é maioritariamente transmitido por mosquitos, é o país, até à data, mais afetado pelos casos de microcefalia, mas o cenário poderá repetir-se noutros locais.

"Se o risco de infeção pelo Zika nas mulheres grávidas e de microcefalia nos fetos que carregam é semelhante noutras zonas geográficas onde o vírus ainda não está propagado, podemos esperar muitos casos de microcefalia e outros efeitos cerebrais nefastos", afirmam os autores do estudo.

No Brasil há registo de cerca de 3.600 grávidas infetadas pelo Zika desde janeiro. Desde o início da epidemia em 2015 contam-se mais de 1.400 casos de microcefalia e de outros problemas neurológicos confirmados.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida