sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Onze casos de microcefalia em Cabo Verde associados ao vírus Zika

Cabo Verde registou 11 casos de microcefalia associados ao vírus Zika, sendo que um dos bebés diagnosticados com a doença nasceu morto, segundo dados do Ministério da Saúde cabo-verdiano divulgados hoje.

Arquivo

Arquivo

© Paulo Whitaker / Reuters

Os dados foram avançados pela médica epidemiologista Maria de Lurdes Monteiro, do Serviço de Vigilância Integrada e Respostas a Epidemias (SVIRE), durante uma reflexão e diálogo sobre o impacto do Zika nas mulheres realizada pela ONU Mulheres em Cabo Verde.

Segundo a médica, até ao passado dia 14 de junho, nasceram 10 bebés vivos com microcefalia com ligação ao vírus Zika, enquanto outro nasceu morto e com múltiplas malformações.

Maria de Lurdes Monteiro indicou que nove dos casos registaram-se na cidade da Praia e dois na ilha do Maio, onde se assinalou o nado morto.

A médica avançou que as autoridades estão a acompanhar cerca de 240 mulheres grávidas, sendo 170 na Praia, 44 em São Filipe na ilha do Fogo, 22 no Maio e quatro na Boavista.

O primeiro caso de microcefalia associada ao vírus Zika em Cabo Verde foi detetado em março último, seis meses após a doença ter sido declarada epidemia, tendo-se, até agora, registado mais de 7.500 casos suspeitos acumulados.

Do total de casos, que registaram um declínio a partir de janeiro, Maria de Lurdes Monteiro referiu que 65% foram notificados em mulheres e os restantes em homens.

Salientando que o mosquito transmissor da doença é o "principal inimigo da saúde pública em Cabo Verde" neste momento, a médica disse que a tónica deve ser posta na luta antivetorial, no sentido de eliminar todos os focos do mosquito.

Também enfatizou a necessidade de se envolver toda a sociedade civil no combate à doença, no empoderamento das mulheres, realização de campanhas de limpezas antes, durante e depois da época das chuvas, uso de repelentes e de roupas de protegem o corpo, entre outras medidas.

No início deste mês, o ministro da Saúde cabo-verdiano, Arlindo do Rosário, disse que desde o dia 25 de abril que não se regista a circulação do vírus no país e que os mosquitos analisados não estão infetados.

Em declaração aos jornalistas, Vanilde Furtado, coordenadora do programa da ONU Mulheres em Cabo Verde, disse que a maior preocupação é com as mulheres grávidas, pelas consequências e riscos, e com os bebés que nascem com microcefalia.

Pelo facto de a maioria dos casos (65%) terem sido diagnosticados em mulheres, a coordenadora afirmou que se pretende elaborar um plano para controlar e ter respostas multissectoriais e abrangentes para os impactos da doença nas mulheres cabo-verdianas.


Lusa

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31

    Grande Reportagem SIC

    Carlos Queiroz, ex-selecionador de Portugal, dá-nos uma entrevista forte e transparente. Entrevistámo-lo no Dubai, um lugar que a investigação da SIC coloca no centro do mapa do escândalo do GES/BES. Aqui antecipamos a Grande Reportagem da próxima semana.

    Exclusivo online