sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Estudo aponta para possíveis novas origens da microcefalia no Brasil

Investigadores brasileiros apontam possíveis novas causas da microcefalia, após terem encontrado em amostras de fetos com a má-formação provocada pelo vírus Zika traços de um outro vírus que afeta animais.

© Ueslei Marcelino / Reuters

Em nota, o Ministério da Saúde brasileiro disse que a suspeita foi comunicada a 20 de junho por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (Ipesq), da Paraíba.

Os cientistas informaram o Ministério da Saúde que, "além de presença do vírus Zika, foram encontradas partículas do vírus da diarreia viral bovina (VDVB), em amostras obtidas por necropsia de tecido cerebral de fetos e recém-nascidos com microcefalia".

O VDVB está presente em rebanhos bovinos em todo o mundo, podendo causar abortos e malformações nos animais, entre outras manifestações.

A tutela ressaltou que "a presença de partículas ou fragmentos do VDVB nas amostras coletadas não significa a existência de vírus ativo, nem que essa espécie de vírus seja responsável pelas malformações", sendo necessárias "novas pesquisas para esclarecer o significado desses achados".

O Ministério da Saúde informou ainda que, "conforme regulamento sanitário internacional", deu conta da descoberta à Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os ministérios da Saúde e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento estão a trabalhar em conjunto no monitoramento destes resultados.

Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados quinta-feira, até 25 de junho foram confirmados 1.638 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, que suge-rem ter sido causados por infeção congénita.

Outros 3.061 casos suspeitos da doença ainda estão a ser investigados.

A microcefalia pode ter como causa vários agentes infecciosos além do vírus Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

O vírus Zika está presente em 60 países e o Brasil é o país mais afetado pela atual epidemia.

Lusa