sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Procurador-geral do Brasil defende direito ao aborto para grávidas infetadas com Zika

O procurador-geral do Brasil, Rodrigo Janot, defendeu hoje o direito das mulheres a abortar caso tenham contraído o vírus do Zika e perante a possibilidade de os bebés nascerem com microcefalia.

A posição da Procuradoria será analisada pelo Supremo Tribunal Federal, no âmbito de um processo que questiona a constitucionalidade das políticas adotadas pelo Governo brasileiro para responder aos casos das crianças nascidas com microcefalia.

A política pública prevê uma atenção especial e durante vários meses para bebés com malformação cerebral, mas não se pronuncia sobre o possível direito das mulheres a abortar em caso de ter contraído o vírus.

O executivo brasileiro declarou em novembro do ano passado emergência sanitária nacional devido à rápida propagação do Zika em todo o país, em particular pela relação direta e já comprovada entre as mulheres que contraem o vírus nos primeiros meses de gravidez e os casos de microcefalia.

Para Janot, a Associação Nacional de Defensores Públicos, autora do processo contra a constitucionalidade da política pública relativa aos menores com microcefalia, tem razão ao exigir que se respeite o direito das grávidas com Zika a abortar.

"A continuidade forçada da gravidez em caso de existir uma certeza da infeção por vírus do Zika representa, no atual contexto de desenvolvimento científico, um risco para a saúde psíquica da futura mãe", alegou o procurador, no seu parecer.

Segundo Janot, ao obrigá-la a manter a gravidez, nestes casos, a legislação viola o direito fundamental à saúde mental da futura mãe, assim como a garantia constitucional de "uma vida livre de tortura e prejuízos severos evitáveis".

O procurador acrescentou que o direito ao aborto neste tipo de casos pode ser enquadrado nas exceções já previstas por lei -- violação, risco para a saúde da mãe e anencefalia do feto.

Segundo Janot, por analogia, pode ser previsto o direito ao aborto em casos de Zika para proteger a mulher de desnecessários sofrimentos físicos e psíquicos futuros.

O parecer da Procuradoria alega ainda que "a autonomia reprodutiva, o direito à saúde e a integridade física e psíquica são direitos fundamentais das mulheres que são violados pela penalização do aborto" em casos de infeção pelo vírus.

De acordo com as mais recentes estatísticas do Ministério da Saúde brasileiro, desde outubro do ano passado e até 08 de julho passado, foram confirmados no Brasil 6.903 contágios de Zika em mulheres grávidas, registando-se 1.600 casos de bebés com microcefalia.

Segundo as autoridades, as mulheres que contraem o vírus nos primeiros meses de gravidez podem conceber bebés com microcefalia ou com malformações irreversíveis no cérebro, que podem estar associadas a problemas mentais, visuais e auditivos.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.