sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Vacina experimental contra o Zika gera imunidade rápida em ratos e macacos

© Mike Segar / Reuters

Uma nova vacina experimental contra o vírus Zika induziu uma resposta imunitária rápida e duradoura, com uma só dose, em ratos e macacos, revela um estudo publicado esta quinta-feira na revista Nature.

Segundo um dos coordenadores do estudo, Drew Weissman, investigador e professor na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, a vacina "induz um nível de neutralização do vírus cerca de 25 vezes maior, após uma única dose, do que se vê em vacinas padrão", que usam vírus vivos.

Apesar dos resultados promissores, serão necessários mais testes para aferir os efeitos em grávidas e fetos.

Os investigadores pretendem avançar com ensaios clínicos dentro de um ano a ano e meio, adianta a universidade numa nota de imprensa.

A vacina foi criada a partir de um 'mensageiro' modificado para o ácido ribonucleico, que codifica duas proteínas diferentes de uma estirpe do vírus Zika isolada num surto em 2013.

Uma baixa dose de vacina foi injetada em ratos e macacos, que desenvolveram em duas semanas anticorpos contra o vírus.

A imunidade manteve-se quando os animais foram infetados com o vírus. Os ratos e os macacos ficaram protegidos, respetivamente, cinco meses e cinco semanas após a vacinação.

De acordo com os cientistas, a proteção conferida pela vacina deve-se em grande parte à forte estimulação que provoca sobre as chamadas células T auxilaires CD4, que coordenam a imunidade.

Para os investigadores, a vacina apresenta várias possíveis vantagens sobre outras vacinas experimentais: é fácil de administrar e basta apenas uma dose, em pouca quantidade, para dar uma imunidade duradoura a modelos animais, sem causar efeitos secundários.

O vírus Zika, que circula em vários países da América Latina, de África e Ásia e se transmite através da picada de um mosquito, pode causar microcefalia (redução do tamanho da cabeça) nos fetos.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.