sicnot

Perfil

Vistos gold

Vistos gold

Vistos Gold

Miguel Macedo conformado com ida a julgamento

O antigo ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse hoje que já se tinha conformado com a ida a julgamento, uma vez que não contestou a acusação na fase de instrução dos vistos gold.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

MÁRIO CRUZ

"Não pus em crise a acusação nesta fase, eu conformei-me com a ida a julgamento", disse Miguel Macedo à agência Lusa, depois de o juiz de instrução ter hoje decidido levar os 17 arguidos da Operação Labirinto a julgamento.

No âmbito do processo de vistos gold, Miguel Macedo é acusado de três crimes de prevaricação de titular de cargo político e um de tráfico de influência.

Questionado sobre a decisão do juiz Carlos Alexandre de levar a julgamento todos arguidos, o antigo ministro da Administração Interna do Governo PSD/CDS afirmou não ter qualquer expetativa, "porque não tinha que ter", já que a sua decisão "foi lá atrás" quando optou por não requerer a instrução.

"A partir do momento em que eu não requeri instrução do processo, evidentemente que tinha decidido que ia a julgamento", adiantou.

"Quando decidi não requer a instrução, não pus em crise nenhuma das coisas que vinha na acusação nesta fase, portanto o resultado só podia ia a julgamento", disse ainda.

A operação Labirinto está relacionada com a aquisição de Vistos Gold e em causa estão crimes de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influência.

Neste processo são também acusados o antigo presidente do Instituto de Registos e Notariado, António Figueiredo, o ex-diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, a ex-secretária-geral do Ministério da Justiça, Maria Antónia Anes, e alguns empresários chineses.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.