sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Malaysia Airlines em falência técnica

A Malaysia Airlines está "tecnicamente falida". Quem o disse foi o novo CEO da empresa que anunciou a eliminação de 6.000 postos de trabalho.

© Olivia Harris / Reuters

"Estamos  tecnicamente falidos e a queda começou após os acontecimentos trágicos de 2014" explicou o  CEO da Malaysia Airlines,  Christoph   Mueller, referindo-se aos   dois   acidentes aéreos registados o ano passado, em que morreram 537 pessoas.

De acordo com a imprensa local, c
erca de 20.000 funcionários da companhia aérea Malaysia Airlines receberam cartas de despedimento no âmbito dos planos de reestruturação traçados para criar uma transportadora rentável.

Contudo, dois terços dos trabalhadores -- aproximadamente 14.000 -- devem receber, nos próximos dias, uma nova oferta de emprego da transportadora que irá substituir a companhia aérea de bandeira malaia.

Entre os restantes 6.000 -- um terço do total -- aqueles que estão há menos de dez anos na empresa vão ser compensados com um mês de salário por cada ano de trabalho, enquanto aos que se encontravam em funções há mais de uma década vai ser oferecida uma indemnização de mês e meio por ano. 

Todos têm até ao próximo dia 12 de junho para decidirem se aceitam ou recusam a oferta por parte da Malaysia Airlines.

Mohammad Faiz Azmi, diretor-executivo da PricewaterhouseCoopers (PwC), foi o responsável por assinar os despedimentos após ter sido nomeado, há uma semana, administrador da Malaysia Airlines.

O novo administrador vai dirigir o processo de dissolução da Malasysia Airlines e constituição da nova companhia, com data prevista para 01 de setembro.

A nova empresa -- em que vão trabalhar dois terços dos funcionários da anterior -- terá uma dimensão mais maneável e as suas operações centrar-se-ão fundamentalmente na Malásia.

O diretor executivo da Malaysia Airlines, o alemão Christoph Mueller, disse em comunicado que as operações vão continuar com normalidade, sem que a transição afete os voos previstos e reservas efetuadas.

A Malaysia Airlines somava vários exercícios com perdas financeiras, quando dois acidentes aéreos a colocaram numa delicada situação em 2014.

A 08 de março do ano passado, um avião, com o código de voo MH370, com 239 pessoas a bordo desapareceu quando realizava a rota Kuala Lumpur-Pequim.

Quatro meses depois, uma aeronave da mesma companhia (voo MH17), com 298 pessoas a bordo, foi abatida por um míssil no leste da Ucrânia.
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.