sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Malaysia Airlines em falência técnica

A Malaysia Airlines está "tecnicamente falida". Quem o disse foi o novo CEO da empresa que anunciou a eliminação de 6.000 postos de trabalho.

© Olivia Harris / Reuters

"Estamos  tecnicamente falidos e a queda começou após os acontecimentos trágicos de 2014" explicou o  CEO da Malaysia Airlines,  Christoph   Mueller, referindo-se aos   dois   acidentes aéreos registados o ano passado, em que morreram 537 pessoas.

De acordo com a imprensa local, c
erca de 20.000 funcionários da companhia aérea Malaysia Airlines receberam cartas de despedimento no âmbito dos planos de reestruturação traçados para criar uma transportadora rentável.

Contudo, dois terços dos trabalhadores -- aproximadamente 14.000 -- devem receber, nos próximos dias, uma nova oferta de emprego da transportadora que irá substituir a companhia aérea de bandeira malaia.

Entre os restantes 6.000 -- um terço do total -- aqueles que estão há menos de dez anos na empresa vão ser compensados com um mês de salário por cada ano de trabalho, enquanto aos que se encontravam em funções há mais de uma década vai ser oferecida uma indemnização de mês e meio por ano. 

Todos têm até ao próximo dia 12 de junho para decidirem se aceitam ou recusam a oferta por parte da Malaysia Airlines.

Mohammad Faiz Azmi, diretor-executivo da PricewaterhouseCoopers (PwC), foi o responsável por assinar os despedimentos após ter sido nomeado, há uma semana, administrador da Malaysia Airlines.

O novo administrador vai dirigir o processo de dissolução da Malasysia Airlines e constituição da nova companhia, com data prevista para 01 de setembro.

A nova empresa -- em que vão trabalhar dois terços dos funcionários da anterior -- terá uma dimensão mais maneável e as suas operações centrar-se-ão fundamentalmente na Malásia.

O diretor executivo da Malaysia Airlines, o alemão Christoph Mueller, disse em comunicado que as operações vão continuar com normalidade, sem que a transição afete os voos previstos e reservas efetuadas.

A Malaysia Airlines somava vários exercícios com perdas financeiras, quando dois acidentes aéreos a colocaram numa delicada situação em 2014.

A 08 de março do ano passado, um avião, com o código de voo MH370, com 239 pessoas a bordo desapareceu quando realizava a rota Kuala Lumpur-Pequim.

Quatro meses depois, uma aeronave da mesma companhia (voo MH17), com 298 pessoas a bordo, foi abatida por um míssil no leste da Ucrânia.
  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.