sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Destroços encontrados em Moçambique são "quase com toda a certeza" do voo MH370

Os dois destroços de avião encontrados ao largo de Moçambique pertencem "quase com toda a certeza" ao voo MH370, desaparecido a 8 de março de 2014 com 239 pessoas a bordo, informam hoje fontes oficiais.

© Olivia Harris / Reuters

Segundo as conclusões das análises realizadas pelo Gabinete para a Segurança no Transporte da Austrália (ATBS, na sigla em inglês), que lidera as buscas pelo aparelho, as duas peças faziam parte da fuselagem do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

Os dois destroços, encontrados a 27 de dezembro de 2015 e a 27 de fevereiro de 2016 em dois locais separados por 220 quilómetros, perto de Moçambique, "serão esta semana devolvidos à Malásia", indica um comunicado da ATBS.

A autoridade australiana também está a investigar, desde a semana passada, outros destroços encontrados na África do Sul e na Ilha Maurícia, de modo a determinar a sua procedência.

Estes quatro fragmentos juntam-se a outro, encontrado em julho de 2015 na ilha francesa de Reunião, a este do Madagáscar, aquele que foi o primeiro indício tangível de que o Boeing 777 da companhia malaia se despenhou no Oceano Índico.

A Austrália lidera uma operação em que também participam a Malásia e a China e que procura pelos restos do avião numa área de cerca de 120 mil quilómetros quadrados, numa zona remota do Índico.

O MH370 desapareceu 40 minutos após descolar de Kuala Lumpur rumo a Pequim, depois de, segundo a investigação oficial, alguém desligar os sistemas de comunicação e desviar o aparelho, que se terá despenhado no mar quando ficou sem combustível.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.