sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Austrália confirma descoberta de peças que podem ser do avião da Malásia

O Governo australiano confirmou hoje a descoberta de três peças, duas nas ilhas Maurícias e outra em Moçambique, que podem pertencer ao avião da Malaysia Airlines desaparecido em março de 2014, com 239 pessoas a bordo.

© Stringer Australia / Reuters

"Tal como aconteceu com os anteriores, as autoridades malaias preparam a recolha dos destroços e espera-se que sejam trazidos para a Austrália para serem examinados", disse o ministro dos Transportes australiano, Darren Chester, em comunicado, noticiado pela agência Efe.

Não adiantando detalhes sobre a descoberta destes destroços, o ministro referiu que as três peças "têm interesse em conexão com o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines", que desapareceu a 08 de março de 2014.

Um dos destroços, que poderá ser parte da fuselagem do Boeing 777, foi encontrado há duas semanas na ilha Bernache, nas Maurícias, por um turista francês que o entregou ao capitão do navio em que viajava e apenas foi entregue às autoridades na terça-feira.

A outra peça foi encontrada nas Maurícias pela guarda costeira, perto da praia Gris-Gris, e foi descrita como assemelhando-se a um fragmento de uma asa encontrada em Moçambique em dezembro.

Até agora as autoridades já confirmaram como pertencendo ao avião desaparecido cinco destroços encontrados em Moçambique, Maurícias, África do Sul e na ilha francesa da Reunião.

O MH370 despareceu 30 minutos depois de descolar de Kuala Lampur, rumo a Pequim, depois de, segundo a investigação oficial, alguém desligar os sistemas de comunicação e desviar o aparelho, que se terá despenhado no mar enquanto ficou sem combustível.

A Austrália lidera uma operação em que também participam a Malásia e a China e que procura pelos restos do avião numa área de cerca de 120 mil quilómetros quadrados, numa zona remota do Índico.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC