sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Austrália confirma descoberta de peças que podem ser do avião da Malásia

O Governo australiano confirmou hoje a descoberta de três peças, duas nas ilhas Maurícias e outra em Moçambique, que podem pertencer ao avião da Malaysia Airlines desaparecido em março de 2014, com 239 pessoas a bordo.

© Stringer Australia / Reuters

"Tal como aconteceu com os anteriores, as autoridades malaias preparam a recolha dos destroços e espera-se que sejam trazidos para a Austrália para serem examinados", disse o ministro dos Transportes australiano, Darren Chester, em comunicado, noticiado pela agência Efe.

Não adiantando detalhes sobre a descoberta destes destroços, o ministro referiu que as três peças "têm interesse em conexão com o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines", que desapareceu a 08 de março de 2014.

Um dos destroços, que poderá ser parte da fuselagem do Boeing 777, foi encontrado há duas semanas na ilha Bernache, nas Maurícias, por um turista francês que o entregou ao capitão do navio em que viajava e apenas foi entregue às autoridades na terça-feira.

A outra peça foi encontrada nas Maurícias pela guarda costeira, perto da praia Gris-Gris, e foi descrita como assemelhando-se a um fragmento de uma asa encontrada em Moçambique em dezembro.

Até agora as autoridades já confirmaram como pertencendo ao avião desaparecido cinco destroços encontrados em Moçambique, Maurícias, África do Sul e na ilha francesa da Reunião.

O MH370 despareceu 30 minutos depois de descolar de Kuala Lampur, rumo a Pequim, depois de, segundo a investigação oficial, alguém desligar os sistemas de comunicação e desviar o aparelho, que se terá despenhado no mar enquanto ficou sem combustível.

A Austrália lidera uma operação em que também participam a Malásia e a China e que procura pelos restos do avião numa área de cerca de 120 mil quilómetros quadrados, numa zona remota do Índico.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.