sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Famílias das vítimas criticam suspensão das buscas pelo MH370

© Thomas Peter / Reuters

Uma organização de familiares de vítimas do voo MH370 da Malaysia Airlines, desaparecido há três anos no Oceano Índico, contestou esta terça-feira a suspensão das buscas submarinas, anunciada pelas autoridades da Malásia, Austrália e China.

A organização, Voice370, emitiu um comunicado no qual se manifesta "consternada" pela decisão, qualificando de "cortina de fumo" a reunião entre os responsáveis dos três países envolvidos nas buscas do Boeing 777 desaparecido com 239 pessoas a bordo.

O texto refere que o Gabinete Australiano para a Segurança dos Transportes (ATSB), que dirige as buscas, recomendou a 20 de dezembro o prosseguimento das operações numa área de 25.000 quilómetros quadrados a norte da zona rastreada até ao momento.

"No nosso entender, estender a busca à nova área definida pelos peritos é uma obrigação ineludível para com o público e no interesse da segurança aérea. Não se pode permitir que aviões comerciais desapareçam sem rasto", afirmam.

Na China, país de origem de 153 das 239 vítimas do MH370, familiares das vítimas ouvidos pelos "media" disseram-se "à deriva" com a decisão de suspender as buscas e ainda esperançados de que os seus próximos ainda estejam vivos.

"Penso que estão a esconder os passageiros", afirmou em lágrimas Zhang Huijun, que perdeu marido e filha no acidente.

"Não passa um dia sem que dedique um tempo considerável a pensar qual pode ser o ponto das buscas. Mesmo sendo provável que nunca mais vejamos os nossos familiares, não deixamos de querer saber o que aconteceu", explicou K.S. Narendran, que perdeu a mulher no incidente.

Outros manifestam-se conformados: "Tornou-se um facto que não conseguem encontrar o avião, talvez nunca. Não temos escolha, temos de o aceitar", disse Nan Jinyan, cujo irmão perdeu a namorada.

A Austrália, China e Malásia anunciaram esta terça-feira num comunicado conjunto o fim das buscas na área de 120.000 quilómetros quadrados onde se pensava que se encontrariam os restos do aparelho.

"Apesar de todos os esforços usando a melhor ciência disponível, tecnologia de ponta e aconselhamento por profissionais altamente qualificados e dos melhores do mundo, infelizmente não pudemos localizar o aparelho", lê-se no texto.

"Consequentemente, a busca submarina pelo MH370 foi suspensa", acrescenta o comunicado, assinado pelos ministros dos Transportes malaio, Liow Tiong Lai, australiano, Hon Darren Chester, e chinês, Li Xiaopen.

A companhia aérea assegurou por seu lado que as buscas foram "exaustivas e abrangentes" e manifestou a expectativa de que, "num futuro próximo", informações "novas e significativas" possam levar à localização do aparelho.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu dos radares a 8 de março de 2014, cerca de 40 minutos depois de descolar de Kuala Lumpur para um voo com destino a Pequim.

A bordo viajavam 153 chineses, 50 malaios - 12 deles tripulantes - sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três norte-americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadianos, dois iranianos, um russo, um holandês e um taiwanês.

Até hoje apenas foram recuperadas peças arrastadas pelas correntes do Índico até praias da Ilha de Reunião, de Moçambique, Maurícias ou África do Sul, na costa oriental africana.

Lusa

  • NATO retoma diálogo com a Rússia

    Mundo

    O Conselho da NATO - Rússia foi instituído em 2002 e decorreu sem interrupções até à anexação da Crimeia, em 2014. O conflito separatista na Ucrânia dividiu a Aliança Atlântica e Moscovo e suspendeu toda a colaboração prática - desde civil a militar. Agora e na véspera da primeira reunião ministerial em Bruxelas com o estreante secretário de Estado americano Rex Tillerson, os países da NATO tentam a aproximação formal e reativação do diálogo político com Moscovo.

  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12

    País

    Rui Mergulhão Mendes, especialista em 'profiling' na Emotional Business Academy, em Lisboa, esteve na Edição da Noite desta quarta-feira para explicar como é que um especialista em linguagem pode ajudar um tribunal a dar um veredito.