sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Famílias das vítimas criticam suspensão das buscas pelo MH370

© Thomas Peter / Reuters

Uma organização de familiares de vítimas do voo MH370 da Malaysia Airlines, desaparecido há três anos no Oceano Índico, contestou esta terça-feira a suspensão das buscas submarinas, anunciada pelas autoridades da Malásia, Austrália e China.

A organização, Voice370, emitiu um comunicado no qual se manifesta "consternada" pela decisão, qualificando de "cortina de fumo" a reunião entre os responsáveis dos três países envolvidos nas buscas do Boeing 777 desaparecido com 239 pessoas a bordo.

O texto refere que o Gabinete Australiano para a Segurança dos Transportes (ATSB), que dirige as buscas, recomendou a 20 de dezembro o prosseguimento das operações numa área de 25.000 quilómetros quadrados a norte da zona rastreada até ao momento.

"No nosso entender, estender a busca à nova área definida pelos peritos é uma obrigação ineludível para com o público e no interesse da segurança aérea. Não se pode permitir que aviões comerciais desapareçam sem rasto", afirmam.

Na China, país de origem de 153 das 239 vítimas do MH370, familiares das vítimas ouvidos pelos "media" disseram-se "à deriva" com a decisão de suspender as buscas e ainda esperançados de que os seus próximos ainda estejam vivos.

"Penso que estão a esconder os passageiros", afirmou em lágrimas Zhang Huijun, que perdeu marido e filha no acidente.

"Não passa um dia sem que dedique um tempo considerável a pensar qual pode ser o ponto das buscas. Mesmo sendo provável que nunca mais vejamos os nossos familiares, não deixamos de querer saber o que aconteceu", explicou K.S. Narendran, que perdeu a mulher no incidente.

Outros manifestam-se conformados: "Tornou-se um facto que não conseguem encontrar o avião, talvez nunca. Não temos escolha, temos de o aceitar", disse Nan Jinyan, cujo irmão perdeu a namorada.

A Austrália, China e Malásia anunciaram esta terça-feira num comunicado conjunto o fim das buscas na área de 120.000 quilómetros quadrados onde se pensava que se encontrariam os restos do aparelho.

"Apesar de todos os esforços usando a melhor ciência disponível, tecnologia de ponta e aconselhamento por profissionais altamente qualificados e dos melhores do mundo, infelizmente não pudemos localizar o aparelho", lê-se no texto.

"Consequentemente, a busca submarina pelo MH370 foi suspensa", acrescenta o comunicado, assinado pelos ministros dos Transportes malaio, Liow Tiong Lai, australiano, Hon Darren Chester, e chinês, Li Xiaopen.

A companhia aérea assegurou por seu lado que as buscas foram "exaustivas e abrangentes" e manifestou a expectativa de que, "num futuro próximo", informações "novas e significativas" possam levar à localização do aparelho.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu dos radares a 8 de março de 2014, cerca de 40 minutos depois de descolar de Kuala Lumpur para um voo com destino a Pequim.

A bordo viajavam 153 chineses, 50 malaios - 12 deles tripulantes - sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três norte-americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadianos, dois iranianos, um russo, um holandês e um taiwanês.

Até hoje apenas foram recuperadas peças arrastadas pelas correntes do Índico até praias da Ilha de Reunião, de Moçambique, Maurícias ou África do Sul, na costa oriental africana.

Lusa

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC