sicnot

Perfil

FB Instant Articles

PM húngaro diz que UE "entregou-se à Turquia"

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, afirmou hoje que a União Europeia (UE) "entregou-se à Turquia" na crise dos migrantes e refugiados, sob o impulso da chanceler alemã, Angela Merkel, com consequências "impossíveis de prever".

© Bernadett Szabo / Reuters (Arquivo)

As declarações do chefe do Governo húngaro, ao semanário económico alemão Wirtschaftswoche, surgem no dia em que Angela Merkel e vários dirigentes europeus se deslocam à Turquia para tentar evitar que o país desrespeite o acordo com a União Europeia sobre a transferência de migrantes e refugiados.

"Entregámo-nos à Turquia. Tal coisa não é nunca boa", disse Viktor Orban, numa referência ao acordo entre Bruxelas e Ancara, impulsionado pela chanceler alemã.

Segundo o primeiro-ministro húngaro, que se opõe ao fluxo de refugiados na Europa, "a segurança da União Europeia não pode estar nas mãos de uma autoridade exterior".

A Turquia comprometeu-se a aceitar, no seu território, os migrantes e refugiados que entraram ilegalmente na Grécia desde 20 de março. O plano prevê que, por cada refugiado sírio que entre na Turquia, outro seja reencaminhado para um país da União Europeia.

A União Europeia aceitou, em contrapartida, dar à Turquia um apoio financeiro de três mil milhões de euros, relançar as discussões sobre a integração do país no 'grupo dos 28' e acelerar o processo de liberalização de vistos para os turcos.

Ancara exigiu, posteriormente, três mil milhões de euros suplementares, ameaçando não respeitar o acordo com Bruxelas se os turcos não ficarem isentos de vistos para entrar na União Europeia, a partir de junho.

"Nós, membros da União Europeia, já pagámos três mil milhões de euros à Turquia, em breve teremos de pagar três mil milhões suplementares. Impossível de prever onde isto vai acabar", disse Viktor Orban, que autorizou o acordo entre Bruxelas e Ancara.

O primeiro-ministro húngaro ressalvou que apoiou a "estratégia turca" apenas na condição de que a União Europeia teria "mais um sistema próprio de proteção de fronteiras" e defendeu que Bruxelas cometeu um erro ao concentrar-se na repartição de refugiados.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.