Ultima Edição

1
0:05

Última Edição

2
1:34

Portugal consegue 750 milhões a uma taxa de juro de 3,59%

3
2:50

"Não devemos esfolar um coelho antes de o caçar"

4
2:24

Troika reuniu-se com parceiros sociais e ouviu críticas à intenção de cortar mais nos salários

5
1:04

Sorteio aumenta em 40% número de empresas que emitem fatura

6
2:54

Hospital Santa Maria racionou medicamento para doentes com esclerose múltipla

7
2:26

Hospital de Santa Cruz pode ficar sem cardiologia pediátrica e cirurgia cardiotorácica

8
1:25

Duplo homicida procurado por cerca de cem elementos da GNR e PJ

9
1:09

Mulher suspeita da morte de três filhos no Reino Unido

10
2:06

São Paulo e Rio de Janeiro palco de violência em protestos contra morte de dois jovens

11
1:26

Gaitán já treinou sem limitações, Fejsa continua condicionado

12
1:19

Conselho Nacional do Desporto discutiu passar a Disciplina para FPF

17:22 23.05.2012

PM de transição da Guiné-Bissau pede aos guineenses reconciliação e trabalho

EPA

O primeiro-ministro de transição da Guiné-Bissau,  Rui de Barros, apelou hoje aos guineenses para que se reconciliem e trabalhem  no sentido de levar o país para frente que, disse, "é de todos". 

"A minha mensagem é de reconciliação e trabalho, porque o país é de  todos nós", afirmou Rui de Barros, momentos após a cerimónia de posse conferida  aos novos ministros pelo Presidente de transição, Serifo Nhamadjo. 

 

    "Apelo aos funcionários públicos para que, a partir de segunda-feira,  todos se dirijam para os seus locais de trabalho", disse Rui de Barros,  em alusão ao facto de os funcionários públicos estarem em greve geral convocada  pelos sindicatos um dia a seguir ao golpe de Estado (12 de abril). 

 

    O primeiro-ministro de transição garantiu que o mais tardar até quinta-feira  haverá a transferência de poderes entre os ministros do Governo cessante  com os recém-nomeados para que na segunda-feira se possa iniciar o trabalho  na administração pública. 

 

    Rui de Barros afirmou estar confiante na sua equipa "por ter pessoas  de diversas proveniências e com experiencias diferentes", e disse acreditar  que vai liderar um Governo "de gente integra". 

 

    "Este Governo não pode ter incompetentes, não pode ter governantes negociantes.  Dentro de uma semana todos os membros vão ter que declarar os seus bens  na Procuradoria-Geral da Republica e na saída também vamos ter que declarar  os nossos bens", frisou Rui de Barros. 

 

    Em relação ao futuro, destacou que o seu Governo vai respeitar todos  os acordos que o país assinou, mas deixa em aberto a possibilidade de rever  os que devem ser revistos. 

 

    A prioridade do seu executivo, disse, é atender as demandas sociais,  mas sublinhou que a preocupação não pode ser apenas os cerca de 30 mil funcionários  públicos, mas sim toda a população guineense, que, notou, são cerca de 1,7  milhões de pessoas. 

 

    O Presidente de transição, Serifo Nhamadjo, pediu ao Governo para que  pague os salários aos funcionários públicos ainda no decurso desta semana.  Rui de Barros disse que tudo irá depender dos procedimentos burocráticos  a serem observados. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Mundo

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .