Mundo

Combates pelos subúrbios de Damasco causaram dezenas de mortos

Os combates pela reconquista da zona de Douma,  no subúrbio de Damasco, pelas tropas sírias, causaram dezenas de mortes  e centenas de feridos, afirmou hoje o dirigente do Observatório Sírio dos  Direitos Humanos, Mohammed Saeed. 

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Khaled Al Hariri / Reuters

"A situação em Douma é catastrófica. O subúrbio está seriamente destruído",  afirmou Mohammed Saeed.  

Entretanto, o Governo já disse que ainda está a perseguir "grupos terroristas  armados", segundo uma nota da agência estatal  de notícias SANA.  

As forças leais ao presidente Bashar Al Assad controlam o centro da  capital síria, mas têm andado a combater as forças rebeldes, que garantiram  várias posições nas zonas suburbanas. 

Mohammed Saeed explicou que os combates têm afastado os serviços de  saúde das zonas em conflito: "Os médicos fugiram mas os feridos permanecem".

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Crédito automóvel acelera
    1:05
  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".