sicnot

Perfil

Mundo

FAO espera que em 2015 o número de pessoas com fome baixe para metade

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação  e a Agricultura (FAO) confia que em 2015 se possa alcançar o Objetivo do  Desenvolvimento do Milénio que prevê reduzir para metade o número de pessoas  com fome. 

Segundo explicou hoje o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva,  alcançaram-se importantes avanços nesta área, já que se conseguiu reduzir  em 132 milhões o número de pessoas com fome desde 1990 no mundo.  

Além disso, nos países em desenvolvimento, a população com fome passou  de 23,2 por cento para 14,9 por cento. 

O diretor-geral admitiu em comunicado que existem cerca de 870 milhões  de pessoas que passam fome, um número que aumentou principalmente em África  e no Médio Oriente.  

"O progresso na redução da fome parou desde 2007", advertiu depois da  sessão inaugural da reunião da Segurança Alimentar Mundial (SAM). 

O responsável da FAO definiu o Comité de Segurança Alimentar Mundial  como a "pedra angular da nova administração global que estamos construindo  juntos" e instou os integrantes da SAM a trabalharem juntos pelo desenvolvimento  do investimento agrícola "responsável". 

Durante a reunião, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo  à ação através de um vídeo em que pediu aos participantes a "eliminação  da fome". 

Nesse sentido, Graziano da Silva acrescentou: "f medida que renovamos  e incrementamos o nosso compromisso de alcançar o Objetivo do Desenvolvimento  do Milénio de redução da fome, procuramos ir mais além até à sua total erradicação,  já que, quando se trata da fome, o único número aceitável é o zero". 

O objetivo do "Desafio Fome Zero" inclui a procura da sustentabilidade  de todos os sistemas alimentares, o aumento das oportunidades para os pequenos  agricultores, a redução das perdas de alimentos, um maior acesso aos alimentos  e o fim da desnutrição no mundo. 

Lusa

  • Tornada pública correspondência entre Barroso e Goldman Sachs em 2005

    Mundo

    O fim de semana está a ser marcado por revelações na imprensa sobre as relações de proximidade entre a Comissão Europeia e o banco Goldman Sachs durante os mandatos de Durão Barroso. As notícias são do jornal Público, que consultou os arquivos da comissão em Bruxelas e que escreve que os banqueiros faziam chegar ao gabinete de Barroso sugestões de alteração às políticas europeias.

  • Vieira da Silva confirma apoio para quem quiser ir trabalhar para o interior

    Economia

    É já este ano que o Governo conta ter uma medida de apoio aos desempregados que aceitem ir trabalhar para o interior. A confirmação é do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Vieira da Silva, que participou este sábado na Universidade de Verão das Mulheres Socialistas de Lisboa, disse que este é um dos incentivos do Governo no âmbito da proteção social.

  • Catarina Martins insiste que IRS deve ser mais progressivo

    Economia

    Catarina Martins insiste que o IRS deve ser mais progressivo para proteger quem tem menores salários. Na reação à manchete do Expresso, que dá conta de que as famílias com maiores rendimentos podem vir a pagar menos impostos por via do fim da sobretaxa, a coordenadora do Bloco de Esquerda sublinha apenas que a medida era uma promessa eleitoral que tem que ser cumprida.

  • Ministro promete atualização das pensões no próximo ano

    Economia

    O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social promete uma atualização das pensões no próximo ano. À margem de um encontro das mulheres socialistas de Lisboa, Vieira da Silva garantiu ainda que o próximo Orçamento do Estado vai continua a centrar-se na defesa dos mínimos sociais e na estabilidade do sistema de proteção social.

  • Papa recebe famílias das vítimas de Nice

    Atentado em Nice

    O Papa Francisco recebeu este sábado no Vaticano as famílias das vítimas do atentado de Nice, um massacre efetuado em meados de julho com um camião e que fez 84 mortos. Foi uma audiência comovente, em que Francisco apelou ao diálogo entre as religiões e à paz.